Julgamento e prisão de Lula são agressões flagrantes ao País

08 Abr
16:18 2018
A+   a-
Da redação
Arrotou abundantemente que Lula não podia mais recorrer. Era cumpri a pena e pronto. “Quer mais o que?”, perguntava, ao dá três pulinhos de alegria, postando memes e mais memes nas redes sociais. Comemorou, vibrando muito e convidando os amigos a fazerem o mesmo. O ápice da ignorância deste "ministro do STF" nas redes sociais, que em alguns casos é apenas uma marionete religiosa ou, outra linha, é do sistema financeiro.
 
Lula pode recorrer sim. Tem direito a embargos dos embargos e isto dito e repetido pelo presidente do STJ na Rádio Jovem Pam e também por todos os juristas, inclusive daqueles que atuaram e atuam fortemente para prender Lula o mais rápido possível, e, assim, evitar que ele influencia nas próximas eleições e eleja um governo progressista, que possa resgatar os direitos dos trabalhadores que o atual presidente tirou fazendo uso de um congresso corrupto.
 
E o presidente do STJ falou que os embargos dos embargos, caso este direito não tivesse sido usurpado de Lula, seriam julgados até o final de maio, ou seja, numa rapidez jamais vista, como também foi rápido, como jamais visto, os dois julgamentos do TRF4. Isto mesmo! Nunca na história recursos jurídicos foram julgados tão rápidos, furando a fila natural de centenas de outros processos que aguardam julgamentos a meses/anos.
 
Para o jornalista Reinaldo Azevedo, critico ferrenho de Lula e dos nordestinos ,por ter o eleito duas vezes disse: “é um caso claro de perseguição política”.



Ao prender Lula, o juiz Sérgio Moro, por sua vez, mais uma vez, atropelou a Constitucional Federal, assim como atropelou a CF e cometeu um crime contra a segurança nacional quando liberou, de forma absurda, a conversa de Lula com a então presidente Dilma poucas horas depois de gravar, por sinal, de forma ilegal.


Sobre a sentença de Moro condenando Lula, Reproduzo o comentário da dr. Kelly Martinelli.

"Nas folhas da sentença do Triplex que quase ninguém leu, o próprio juiz afirma que indeferiu requerimentos probatórios e periciais solicitados pela defesa, pois, em princípio, NÃO HÁ afirmação na denúncia de que exatamente o dinheiro recebido pelo Grupo OAS, nos contratos com a Petrobrás, tenha sido destinado especificamente em favor do ex-presidente Lula.

E continua dizendo que, pela própria característica de fungibilidade do dinheiro, a denúncia NÃO AFIRMA que há um rastro financeiro entre os cofres da Petrobrás e os cofres do ex-presidente, mas que as benesses (as mesmas que acabara de afirmar que não tinham sido destinadas especificamente ao Lula), tinham sido recebidas por ele, como parte de um acerto de propinas entre a OAS e dirigentes da Petrobrás.

Ora, qualquer operador ou estudioso do Direito que tenha o mínimo de conhecimento sabe que a necessidade da correspondência entre a denúncia e a sentença, entre a imputação e a condenação é indispensável. Se o próprio juiz reconhece, trocando em miúdos, não haver ligação entre o imóvel e o caso Petrobrás e diz ainda que não pode haver lavagem se o referido tríplex jamais foi entregue ao suposto dono, ele mesmo admite um erro grave, gravíssimo, e retira a ação do âmbito da Lava-Jato, inviabilizando, assim, a sua permanência no caso".


Enfim, concordo com o juiz José Herval Sampaio Junior, presidente da AMARN: “não existe o que comemorar com a prisão de Lula”, nem no campo politico e menos ainda no campo jurídico. Nos dois campos são vergonhosos. O julgamento e prisão de Lula são agressões flagrantes ao País.

Sobre os arrotos de asneiras e pulinhos de alegria com a prisão de Lula, páre de mentir para si próprio. Não são e nunca foram pelo fim da corrupção. É o seu preconceito pessoal contra operários, pobres, assalariados, que receberam benefícios e tiveram direitos reconhecidos nos governos do PT, aflorando. Até porque, ao lado de quem está dando pulinhos de alegria coma prisão e arrotando asneiras, estão também os corruptos, que estão usurpando os direitos dos trabalhadores brasileiros.

Assista o último discurso de Lula.

COMENTÁRIOS