Como sabotar um país manipulando a mente do povo!

29 Abr
10:06 2017
A+   a-
Da redação
O texto abaixo é do jornalista Neto Queiroz. Concordo com cada letra que postou. Assim com ele, também estou muito preocupado, não com isto ou aquilo sobre a greve geral e sim com relação a notícia plantada e manipulada que a TV passou o dia todo enfiando na cabeça dos brasileiros.

O brasileiro já pagou um preço muito devido a este jogo sujo de plantar e manipular notícia. Não convêm mais. O que estou assistindo no Brasil, infelizmente já assistir num vídeo há vários anos e novamente voltei a assistir para ter certeza.

Eis o vídeo


Entenda a subversão comunista, por Yuri Bezmenov (ex-KGB) neste vídeo, gravado numa universidade nos Estados Unidos em 1983, acrescenta ao debate tão necessário proposto por Neto Queiroz aos nossos pensadores, especificamente os universitários.

Yuri Bezmenov mostra como sabotar um país manipulando a mente do povo! Praticamente o que está sendo feito no Brasil.

Segue o texto de Neto Queiro na ÍNTEGRA.


Por Neto Queiroz

MINHA OPINIÃO SOBRE A GREVE GERAL DE HOJE

Vejo nas redes sociais uma discussão estéril sobre a greve g [...]

Ler mais

Antes era uma monstruosidade e hoje reina o silêncio

24 Abr
22:06 2017
A+   a-
Da redação
O SAMU defintivamente não vai reduzir. Esta história que está circulando nas redes sociais não é verdadeira. O SAMU continua funcionando com o contingente que tem, com as dificuldades que tem, com o esforço de todos que lá trabalham.

Na gestão Silveira, toda semana soltavam mentiras nas redes sociais e repercutiam no rádio, dizendo que era uma monstruosidade.
 
Um dia era que não tinha merenda e transporte na Maísa. “Uma barbaridade!”, Gritavam! Fui lá. Era mentira. No outro dia, disseram que não tinha merenda em Melancias. De novo, gritavam: “uma monstruosidade. Liguei para diretora, era mentira. Havendo aulas normal, assim como na Maísa, no dia anterior.
 
No outro dia, inventaram que Silveira e Eu (absurdo) estava tramando fechar o Hospital da Mulher. Outra mentira escabrosa e mesmo assim ganhou repercussão no rádio e no escambau, uma massiva de destruição de imagem.
 
Os atrasos nos salários dos terceirizados, para as rádios e Rosalba Pawww e seus seguidores, não ocorriam porque havia queda brusca na arrecadação (previsão de R$ 675 milhões e arrecadou menos R$ 500 milhões e, sim, porque Silveira era um monstro que estava intencionalmente prejudicando.
 
Quando faltava insulina, rasgavam nas r&aac [...]

Ler mais

Um exemplo da falta de inteligência que inviabilizou o futebol em Mossoró

04 Abr
22:02 2017
A+   a-
Da redação
Não entendo as equipes de futebol de Mossoró, FNF, os diretores do Nogueirão, menos ainda a ACERN. Todo ano a ACERN cobra R$ 100 reais dos fotógrafos e dos demais profissionais de mídia para cobrir os jogos nos estádios no RN.
 
Entretanto, tenho uma crítica forte com relação ao tratamento dispensado pelos clubes, pela federação e pela ACERN aos fotógrafos, que, na prática, É QUEM dão visibilidade a camisa do clube, ou seja, a LOGO do patrocinador do clube, da Federação e do Estádio, com suas fotografias publicadas nos veículos de comunicação local, estadual e até nacional.
 
Só que se tornou muito caro e perigoso para o fotógrafo trabalhar no Nogueirão.
 
1 – Equipamentos fotográficos são caros (varia de 10 a 20 mil) e como se sabe ir e voltar ao estádio em dias de jogo tornou-se um perigo enorme de ser assaltado e perder suas ferramentas de trabalho. Ou, ainda, ter o carro arranhado ou tomado de assalto.
 
2 – O local destinado para os fotógrafos trabalharem dentro do NOGUEIRÃO, ou seja, mostrarem a camisa do clube, não tem conforto algum. Tem que sentar chão junto com formigas ou ficar em pé, no lado do lado oposto as cadeiras ou logo atrás das traves.
&nb [...]

Ler mais

Advogado pede que o governador gaste até o último centavo em segurança

01 Abr
23:10 2017
A+   a-
Da redação
O advogado Alcimar Targino de Sousa, de Patu/Messias Targino, escreve uma carta num tom educado e respeitador ao governador Robinson Faria. Pede ao mandatário estadual que invista em segurança até o último sentavo previsto em orçamento. Não econimize.

Enfim, vale a pena a leitura!

Senhor Governador do Estado do Rio Grande do Norte, Robinson Faria,

Como faz algum tempo que Vossa Excelência esteve em Patu (não sei se veio à cidade após a última campanha eleitoral), precisamos lhe contar alguns fatos, lastimáveis, mas que certamente lhe interessam, dada a sua condição de gestor maior desse Estado.

Infelizmente, perdemos de vez a nossa paz e a nossa tranquilidade.

Nos últimos dias, a falta de segurança pública por essas bandas ultrapassou todos os limites, se é que ainda estes existiam.

Nesses últimos dias a cidade se deparou com tentativa de homicídio, furto vultoso a uma residência de pessoas bastante conhecidas e pacatas (trabalhadoras, diga-se), assalto com uso de violência a um comerciante (hoje já se fala em outro) e outros assaltos popularmente conhecidos como "arrastões", além de um homicídio ocorrido não necessariamente em Patu, mas nas suas proximidades (Rodovia BR 226, altura de Messias Targino) e [...]

Ler mais

Como o "Baile da Favela" se transformou em o baile da morte

26 Mar
12:30 2017
A+   a-
Da redação
Como o “Baile da Favela” (AQUI) se transformou em o “baile da morte”? Para entender esta questão precisamos retornar ao início de 2015, quando a Facção PCC matou quatro presos da facção Sindicato do RN na Cadeia Pública de Caraúbas (AQUI).

Depois deste evento sinistro, teve uma sequência de presos que foram suicidados dentro dos presídios no Rio Grande do Norte, assim como também rebeliões que resultaram em mortes, massacres, como este ocorrido em Alcaçuz (AQUI).

A guerra entre membros das duas facções, neste intervalo, saiu do interior dos presídios e cadeias, e se instalou nas ruas das principais cidades do Rio Grande do Norte. Nesta “disputa”, quem realmente perdeu foi o cidadão, que ficou sem sua tranquilidade no seio familiar.

Outro fator merece ser observado nesta guerra de facções nos presídios e nas ruas: ficaram descapitalizadas e intensificaram os assaltos, tanto de grande porte (invas&oti [...]

Ler mais