GERAL

Papa lamenta morte de detentos em rebelião; governador do AM diz que “não havia nenhum santo”

Foto: Divulgação/Seap
04 Jan
16:51 2017
A+   a-
Da redação
O papa Francisco fez, na primeira audiência geral de 2017, realizada nessa quarta-feira, 4, orações pelos mortos da rebelião no presídio de Manaus. Ao todo, cerca de 60 presos perderam suas vidas no Complexo Penitenciário Anísio Jobim durante o motim. A informação é da Agência Ansa.

"Ontem, chegaram notícias dramáticas do Brasil sobre o massacre ocorrido no presídio de Manaus, onde um violentíssimo confronto entre grupos rivais causou dezenas de mortes", disse o pontífice nas mensagens finais da audiência.

 "Exprimo dor e preocupação pelo que aconteceu. Convido a todos para rezar pelos mortos, pelos seus familiares, por todos os detentos daquele presídio e por aqueles que lá trabalham. E renovo meu apelo para que os institutos penitenciários sejam locais de reeducação e de reinserção social e as condições de vida dos presidiários sejam dignas de pessoas humanas", afirmou o papa.

Após um momento de silêncio, ele pediu que os presídios de todo o mundo "sejam locais de reinserção, que não sejam superlotados" e concluiu solicitando que todos rezassem uma Ave Maria.

“Não havia nenhum santo”, diz governador do AM
 
Já o governador do Amazonas, José Melo, declarou durante entrevista à rádio CBN nesta quarta-feira (4) que "não havia nenhum santo" entre os mortos na rebelião. A resposta foi dada durante uma pergunta sobre a afirmação do ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, de que maior parte dos mortos não pertencia a facção criminosa.

"Não posso fazer comentário sobre o que o ministro falou. Só sei dizer que não tinha nenhum santo. Eram estupradores, eram matadores que estavam lá dentro do sistema penitenciário e pessoas ligadas a outra facção, que é minoria no estado do Amazonas e que foi objeto disso", afirmou o governador.
 
Com informações da Agência Brasil e G1
 

MAIS NOTÍCIAS


COMENTÁRIOS