POLÍCIA

Justiça decreta a prisão preventiva de mais dois PMs por crimes de execuções em Mossoró

09 Jan
17:58 2017
A+   a-
Da redação
Ocorreu nesta segunda-feira, 9, em Mossoró, mais uma etapa da Operação Intocáveis, através da qual promotores de Justiça e Policiais da Força Nacional investigam desde ano passado, em Mossoró e municípios vizinhos, crimes de execuções cometidos por policiais militares.
 
A operação, ao contrário da outra vez, não foi nas residências dos policiais. Os soldados Erasmo Fredson Moreira Silva e Marcos Suel Pereira da Silva receberam voz de prisão dentro do II Batalhão de Polícia Militar, atendendo a ordem judicial de prisão preventiva.

Os dois estão recolhidos na cela do batalhão a aguardando a próxima decisão. Os motivos que justificam as decisões dos juízes decretando a preventiva dos policiais não foram explicados. Os processo corre em segredo de Justiça.
 
A informação foi confirmada pelo comandante do II BPM, o major PM Maxmiliano Luiz Fernandes.
 
Veja mais

20/12/2016 - Justiça libera PMs presos na Operação Intocáveis para responder em liberdade

19/10/2016 - Policiais militares presos em Natal estão sendo transferidos para outras unidades do Estado

11/08/2016 - MP/RN detalha como policiais executaram sete em Mossoró 

25/06/2016 - A Palmatória de Diversas Faces e a Operação Os Intocáveis

23/06/2016 - Representações da PM e Bombeiros repudiam prisões de policiais em Mossoró

22/06/2016 - Sesed divulga lista de nomes dos policiais presos na operação "Os Intocáveis"

22/06/2016 - Justiça determina prisão de cinco policiais suspeitos de 14 homicídios em Mossoró

Na operação Intocáveis, os promotores de Justiça, com apoio de policiais civis, militares e da Força Nacional, investigam 14 mortes ocorridas em Mossoró e Tibau, sendo que nesta última foi uma chacina ocorrida em 2015.

Os policiais presos preventivamente e coercitivamente foram conduzidos para serem ouvidos na Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa de Mossoró e seguiram para Natal apenas alguns dos suspeitos investigados.

No caso, os soldados Marcsuel e Moreira foram ouvidos e liberados. Entretanto, no decorrer do processo, acredita-se que os investigadores encontraram mais indícios e a Justiça terminou por decretar a prisão dos dois.

O comandante Maxmiliano Luiz não soube informar o local que os dois policiais vão aguardar decisão judicial no processo. Ele acredita que nesta terça-feira, 10, a Justiça já deve estar orientando os locais que os policiais vão ficar presos.

MAIS NOTÍCIAS


COMENTÁRIOS