ESTADO

Hospital Maternidade Almeida Castro realizou 4.491 partos em 2016

Foto: Cézar Alves/MH
10 Jan
08:15 2017
A+   a-
Da redação
Os interventores na Associação de Assistência e Proteção a Maternidade e Infância, de Mossoró, apesar das dificuldades financeiras, concluíram mais uma etapa e iniciaram outra no processo de restauração e ampliação do Hospital Maternidade Almeida Castro. 

A unidade concluída foi a Casa da Mãe, com 20 leitos, destinado para mulheres que moram fora de Mossoró, mas precisam ficar na maternidade para acompanhar o tratamento de seus filhos em um dos 50 leitos de atenção especial aos bebês já instalados na maternidade.

O próximo passo dos interventores será reformar e ampliar o Centro Cirúrgico, assim como instalar salas de Pré-parto, Parto e Pós-parto (Partos Humanizados) atendendo aos pré-requisitos previstos do programa Rede Cegonha do Ministério da Saúde.

O trabalho de intervenção no Hospital Maternidade Almeida Castro começou em outubro de 2014, quando a unidade estava fechada, gerando graves transtornos à população de Mossoró. Na época, bebês morreram na barriga da mãe por não ter onde nascer. 

Ao todo já foram instaurados 190 leitos, sendo 20 de UTI neonatal (UTIN), 12 leitos de Unidade de Cuidado Intermediário Neonatal. Convencional (UCINCo) e 18 leitos de Unidade de Cuidado Intermediário Neonatal Canguru – UCINCa, através do qual tem salvado muitas vidas.

Os interventores Benedito Viana, Ivanise Feitosa e Larizza Queiros (coordenadora geral) acrescentam que também foi instalado um UTI adulto com 9 leitos, laboratório que faz média de 12 a 15 mil exames por dia, ampliado refeitório (Nutrição), que atualmente serve 800 refeições dentro da maternidade e a Lavanderia que lava em média de 20 a 25 toneladas de roupas por mês, não só da maternidade, mas de outros hospitais de Mossoró.

Ainda conforme os interventores, em 2016 nasceram na maternidade 4.486 bebês, sendo que 45% deste total de Mossoró e os outros 55% de cidades da região Oeste do RN e parte do Ceará. “Deste total, 23% dos bebês chegaram ao mundo precisando de algum tipo de atendimento especial nas unidades de cuidados intensivos”, destaca Benedito Viana.

Daí a importância dos 50 leitos de cuidados especiais UTIN, UCINCo e UCINCa. Atualmente a UTI neonatal está com 17 leitos dos 20 ocupados. Já a UCINCo está com 8 dos 12 existentes com bebês e a UCINCa está com 15 dos 18 leitos existentes ocupados. A UTI adulto está lotada, com pacientes da maternidade e também do Hospital Regional Tarcísio Maia.



Os próximos passos no processo de restauração e ampliação da maternidade, segundo interventor Benedito Viana, é para ampliar o conforto e de melhoria dos serviços prestados.

Cita a Casa da Mãe, que está sendo inaugurada neste dia 11 de janeiro, como um instrumento previsto pelo Ministério da Saúde para humaniza o atendimento, oferecendo condições confortáveis para as mães carentes de outras regiões ficarem hospedadas dentro da maternidade enquanto acompanha o tratamento do filho.

A coordenadora da intervenção, Larizza Queiroz chama atenção para o fato de que paralelo ao trabalho de restauração e ampliação da Maternidade estão sendo negociadas e pagas dívidas trabalhistas milionárias deixadas pela antiga gestão da APAMIM. A Justiça do Trabalho calcula em algo em torno de R$ 8 milhões. Esta dívida será paga parcelada ao longo de 5 ou 6 anos.



O mesmo com relação as dívidas junto a agências bancárias e fornecedores. Trabalho de intervenção está sendo acompanhado de perto pelos promotores e juízes da Justiça do Trabalho, Estadual e Federal, através de produção de relatórios de gestão. 

O trabalho de intervenção também está sendo inspecionado com frequência pelo Conselho Regional e Federal de Medicina, Conselho Regional de Enfermagem, entre outros órgãos, inclusive técnicos do Ministério da Saúde e as secretárias estadual e municipal de saúde.

O processo de restauração e ampliação do Hospital Maternidade Almeida Castro, em Mossoró, está sendo feito com recursos do Sistema Único de Saúde, em parceria com a Prefeitura Municipal de Mossoró e Governo Estado.

MAIS NOTÍCIAS


COMENTÁRIOS