ESTADO

Prefeitura de Pau dos Ferros confirma 3 casos de calazar humano

Foto: Cézar Alves/MH
11 Ago
10:01 2017
A+   a-
Da redação
Por meio de nota, a Prefeitura Municipal de Pau dos Ferros, município do Alto Oeste potiguar, confirmou a existência de 3 casos de calazar em humanos na cidade. A doença é causada pelo protozoário Leishmania Infantum, e é transmitida pela picada do mosquito-palha. Atinge especialmente cães, mas humanos também podem ser infectados. 

A prefeitura informou que a equipe da Secretaria Municipal de Saúde (SESAU) está realizando todos os procedimentos cabíveis para tratar os pacientes.

"Estão sendo realizados inquéritos caninos censitários e amostrais nos bairros do município, assim como o controle vetorial. As ações são direcionadas de acordo com a realidade epidemiológica existente, com realização de ações programadas visando atingir principalmente áreas de maior ocorrência de casos humanos e caninos", explicou a prefeitura. 

Segundo a prefeitura, como forma de controle, através de uma ação imediata, a equipe de combate a endemias está realizando testes rápidos - feito por meio de uma fita contendo reagentes - nos animais e outros procedimentos laboratoriais.

A gestão municipal esclarece que já encaminhou à VI Unidade Regional de Saúde Pública (URSAP) as informações referentes aos casos confirmados, além de solicitar ao Governo do Estado que disponibilize inseticida e maquinário próprio para dispersão do mesmo.

"É de obrigação do Governo Estadual o fornecimento de kits de testes rápidos como forma de auxiliar na identificação dos animais contaminados, porém, segundo a equipe municipal de controle de endemias, os kits não estão sendo fornecidos a mais de 3 meses, bem como a execução do exame para confirmação, chamado Elisa", informou o órgão.

"A participação da comunidade é fundamental para o controle da doença. Para isto, é importante o conhecimento dos sintomas, tratamento, forma de transmissão e medidas preventivas", frisou. 

A leishmaniose pode ser prevenida através do uso nos cães de coleiras a base de deltametrina a 4%. Evitar o acúmulo de matéria orgânica em decomposição nos quintais (restos de frutos, folhas, raízes e galhos) uma vez que o mosquito-palha é um inseto bem pequeno e costuma se reproduzir em locais com muita matéria orgânica em decomposição.


MAIS NOTÍCIAS


COMENTÁRIOS