17 DEZ 2018 | ATUALIZADO 15:37
VARIEDADES

Veja dicas da Polícia Civil para não cair no golpe do consórcio

Nesta sexta, 6, a Policia Civil prendeu em flagrante Graziele Fernandes no momento que ela concluía um golpe de R$ 25 mil reais em Silvana Felício usando uma Carta de Crédito inexistente de R$ 200 mil
Da redação
07/10/2017 07:09
Atualizado
14/12/2018 08:57
A+   A-  
Veja dicas da Polícia Civil para não cair no golpe do consórcio
Ivan Fernandes/Passando na Hora
Uma das formas de financiamento do bem privado é através do consórcio, que no final das contas, os juros terminam sendo mais baixos do que os oferecidos pelos bancos oficiais e também privados. Entretanto, antes de comprar cotas de consórcio é preciso ter muito cuidado, para não terminar no prejuízo, vítima de golpistas especializados.

Silvana Felício é uma das vítimas de vendedores de consórcio inescrupulosos, que se aproveitam, muitas das vezes, da situação de amizade para aplicar o golpe. Silvana comprou uma carta de crédito contemplada no valor de R$ 200 mil a Graziele Caiane Fernandes da Silva, de 30 anos, para pagar R$ 25 mil em dinheiro e 154 parcelas de R$ 886,00.

Para enganar Silvana, Graziele se apresentava como correntistado Consórcio Tradição.

A vítima adiantou R$ 17,25 mil e nesta sexta-feira, 6, teria que pagar mais R$ 7,750 mil para Graziele Fernandes lhe entregar a Carta de Crédito e, assim, ela comprar o bem sonhado e ficar pagando as 154 parcelas de R$ 886,00. Só que Graziele não tinha carta de crédito nenhuma. Silvana Felício desconfiou e acionou a Polícia Civil para investigar.

O delegado José Vieira prendeu Graziele Fernandes em flagrante, no momento que ela exigia mais R$ 7,5 mil na agência da Caixa Econômica Federal instalada no Fórum da Justiça do Trabalho em Mossoró. Os policiais acompanharam Graziele Fernandes fazendo pressão para a vítima Silvana Felício entregar o dinheiro e prenderam ela em flagrante.

Na delegacia, Graziele Fernandes confessou o golpe. “Ela realmente já havia trabalhado numa empresa que vende consórcio e ao sair, ficou enganando as pessoas, destruindo sonhos”, diz o delegado. E esta não foi a primeira vez. Em 2015, Grazile Fernandes foi flagrada enganando Francisco Anselmo e Josimário Raimundo, respectivamente com R$ 7 e R$ 15 mil, em 2015.

Grazile Fernandes foi autuada em flagrante por estelionato (pagou fiança de mil reais e foi liberada), em sua forma tentada, pelo delegado José Vieira, que, mostrando-se preocupado com o número elevado pessoas vítimas de golpistas usando cotas de consórcio que o procura, deu duas dicas importantes para o cidadão reduzir as chances de terminar com sonhos transformados em pesadelos.
 
Dicas para evitar cair em golpes do consórcio
A primeira dica é quando lhe for oferecido uma cota de consórcio, o cidadão deve solicitar do vencedor uma cópia do contrato para analisar. Daí ele, com calma, avalia cada ponto, como, por exemplo, se o CNPJ indicado naquele contrato existe. Também deve fazer contato com a empresa e conferir se realmente aquela pessoa tem autorização para negociar cotas.

A segunda dica é evitar consórcios com propostas mirabolantes. Como o consórcio morte subida, onde o cidadão compra a cota e quando é sorteado, não precisa mais pagar. Nestes casos, José Vieira disse que é evidente que a empresa vai quebrar. De qualquer maneira, o cidadão deve avaliar a solidez da empresa antes de fechar negócio. “De que adianta comprar o consórcio e a empresa no final não ter como entregar o bem?”, finaliza.

Notas

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário