17 DEZ 2018 | ATUALIZADO 15:37
MOSSORÓ

​Conselho de Odontologia interdita Centro de Especialidades inaugurado por Rosalba

Conforme o documento do Conselho, fiscalização constatou dano estrutural no CEO II, que impossibilita a realização dos trabalhos.
Da redação
18/12/2017 12:16
Atualizado
13/12/2018 12:26
A+   A-  
​Conselho de Odontologia interdita Centro de Especialidades inaugurado por Rosalba
Mossoró Hoje
O Conselho Regional de Odontologia interditou toda a estrutura do prédio do Centro de Especialidades Odontológicas, reinaugurada com festa, após “reforma” no início da gestão de Rosalba Cialini, no primeiro trimestre de 2017. 

"Está tudo fechado", informou uma senhora que estava na recepção da unidade no início da tarde desta segunda-feira, 18, a uma usuária do serviço que veio tirar os pontos da cirurgia odontológica feita semana passada. “Vá no posto de saúde ou na UPA”, disse a recepcionista.

Outro usuário queria saber sobre canal e ela o encaminhou para o Hospital da Polícia Militar que fica no bairro Nova Betânia, ao lado do II Batalhão de Polícia Militar. “Precisa ver primeiro se este tipo de atendimento está sendo feito lá”, orienta a servidora.

O MOSSORÓ HOJE teve acesso ao documento assinado no dia 14 de dezembro pelos membros do Conselho Regional de Odontologia interditando toda a estrutura do CEO II, que fica na Rua Juvenal Lamartine, perto do Hospital Maternidade Almeida Castro.

Na folha de Ocorrência do documento, os conselheiros escreveram que “De acordo com a visita da comissão de fiscalização foi constatado dano estrutural em inúmeras salas do CEO II, como, por exemplo, rachaduras nas paredes de todos os consultórios”, escreveu.

O documento afirma ainda que existem rachaduras na sala de espera, direção e de cirurgias odontológicas.

O engenheiro José Henrique deixou que as salas de cirurgia deveriam ser interditadas imediatamente, por não oferecer condições dignas de trabalho.

Após inauguração com festa pela prefeita Rosalba Ciarlini, a unidade teve vários problemas por falta de material para se trabalhar, com inúmeras reclamações de usuários e também médicos. O quadro se agravou quando as paredes começaram a rachar.

Notas

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário