VARIEDADES

Bat-contabilidade: estudante da UFRN escreve TCC sobre o Batman; "me diverti", afirma

Foto: Havanna Coelho | Divulgação UFRN
27 Fev
17:40 2018
A+   a-
Da redação

“Algumas vezes os ensinamentos contábeis podem esconder-se em locais inusitados ou incomuns ao uso acadêmico, sendo parte do dia-a-dia de toda a sociedade e estando presente em nossos costumes sociais corriqueiros”.

Com estas palavras, Ary Ferreira Filho, aluno concluinte do curso de Ciências Contábeis, do Centro de Ciências Sociais Aplicadas, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), inicia seu trabalho de conclusão de curso Bat-contabilidade: Aspectos Contábeis Presentes na Trilogia de Filmes do Batman de Christopher Nolan.

O objetivo principal da pesquisa foi evidenciar os aspectos contábeis na trilogia de filmes do super-herói Batman dirigida pelo anglo-americano Christopher Nolan, sendo eles Batman Begins (2005)Batman, o Cavaleiro das Trevas (2008) e Batman, o Cavaleiro das Trevas Ressurge (2012), além de destacar cenas que envolvam temas contábeis e financeiros, relacionar a trama aos conceitos de contabilidade e analisar a forma como a Ciência Contábil é retratada na trilogia.

A pesquisa é um trabalho interdisciplinar e tem como referência teórica principal a Teoria da Representatividade Social, além de abordar a importância do Cinema e estudos anteriores, a relação entre os filmes de Super-Heróis e seu alcance popular e a análise do Batman e sua relevância científica. Uma das grandes inspirações para a pesquisa, por exemplo, foi a dissertação do mestrado de Dickson Tavares, estudante de Comunicação na UFRN que pesquisou as Mediações, Midiatizações, Tansmidiatizações, no filme O Cavaleiro das Trevas.

O estudo apontou que os filmes tratam de pelo menos 18 aspectos da contabilidade, sendo os três principais: Pesquisa e Desenvolvimento de Ativos, Contabilidade Societária e Controladoria. Além disso, os resultados mostram que 10,73% do tempo de exposição da trilogia tratam de algum dos aspectos.

Jeferson Rocha
Ary é fã da cultura pop e viu no herói dos quadrinhos um bom tema para a pesquisa

O personagem do Batman - identidade secreta de Bruce Wayne - destaca-se em aspectos contábeis por apresentar nos filmes os negócios da corporação Wayne Enterprises, com uma fortuna estimada em US$ 9,2 bilhões, de acordo com pesquisa realizada pela revista Forbes em 2013, que aponta as 15 maiores fortunas da Ficção.

Ary Filho justifica a pesquisa por retratar “a maneira que um relevante ramo dos principais meios de comunicação em massa pode expor o conteúdo da Ciência Contábil ao mundo”. Para Marke Geisy, professor do Departamento de Ciências Contábeis, “o trabalho contribui para a contabilidade ao evidenciar os aspectos da área no conteúdo dos filmes, que estão evidentes na mídia para a população”.

A ideia
Ary, que é fã da cultura pop em geral, foi orientado por Marke Geisy, também entusiasta de super-heróis, e viram nos quadrinhos um bom tema para a pesquisa. O estudante afirma que “a ideia, desde o começo, era fazer uma coisa atípica. Os trabalhos de conclusão de curso na área de negócios são, geralmente, repetitivos e limitados, basicamente releituras”. 

“Pensei em estudar outros heróis, como o Homem de Ferro, mas eram muito superficiais quanto à contabilidade”, afirma Ary. “Enquanto outros personagens deixam outras pessoas gerirem suas finanças, o Batman cuida de todos os processos de sua empresa”, conclui.

O pesquisador decidiu analisar a trilogia do diretor Christopher Nolan por abordar a história do Batmam de uma forma mais completa e recente, incluindo o surgimento, desenvolvimento e a aposentadoria da ação.

Sobre a escolha do tema, Ary diz que o professor-orientador teve uma certa iluminação quando estava lendo uma revista do Batman e, em determinado trecho, o Bruce Wayne falava para o Alfred: ‘não se preocupe com a contabilidade, essa não é sua parte’. Aí ele teve a ideia de fazer o trabalho”. O diálogo entre a identidade bilionária do homem-morcego e seu mordomo sobre as Empresas Wayne foi a faísca que deu inspiração para a pesquisa, quando o professor se deu conta da possibilidade de fazer um trabalho de contabilidade sobre o herói.

Havanna Coelho
O trabalho foi bem recebido pela banca avaliadora: "atípica e criativa"

Marke conta que há muito tempo queria fazer uma pesquisa envolvendo super-heróis. “Desde os tempos da faculdade”, afirma. Mesmo esse sendo seu primeiro trabalho de pesquisa que envolve heróis, ele já trabalhou a contabilidade em outros aspectos como cinema e jogos de tabuleiro, além de ser um nome conhecido nos trabalhos contábeis sobre futebol.

Quanto à característica de pesquisar objetos pouco tradicionais na academia e optar por temas alternativos, Marke diz que “as pessoas têm que pensar menos para o lado técnico e pensar mais sobre como a contabilidade contribui para a sociedade”.

Dificuldades
Ary explica que justificar a pesquisa foi uma grande tarefa. “A parte mais difícil foi fazer um trabalho tão bom ao ponto de se sustentar pela própria qualidade”, afirma. Para isso, ele se baseou em quatro pontos principais: a relevância do cinema para a produção do conhecimento científico; o poder de alcance popular da indústria cinematográfica; a relevância científica que o Batman tem como bem imaterial da sociedade; e qualificar como estes pontos se aplicam na contabilidade. 

“O grande desafio de realizar a pesquisa foi fundamentar teoricamente”, revela Ary. “Tive de buscar conceitos em outras áreas do conhecimento, como a sociologia e a psicologia”, continua. Foi partindo para as Ciências Humanas que ele encontrou a Teoria das Representações Sociais, a qual relaciona as construções simbólicas com a realidade social.

Recepção
O trabalho foi bem recebido pela banca avaliadora, que apreciou com nota 9,7. “Eles gostaram muito e elogiaram por ser uma produção atípica e criativa”, conta Ary, afirmando que, apesar de todo o trabalho, foi muito prazeroso. “Uma amiga leu o texto e disse ter percebido que me diverti escrevendo; e é verdade. A banca também notou isso”, revela.

MAIS NOTÍCIAS


COMENTÁRIOS