GERAL

Campanha alerta para prevenção as lesões do trabalho LER e DORT

Foto: Reprodução
27 Fev
18:17 2018
A+   a-
Da redação
Depois de passar horas realizando uma mesma atividade, sem intervalos para descanso, quem nunca reclamou de sentir cansaço muscular ou dor nos membros superiores e nos dedos, às vezes até com dificuldade para movimentá-los.

Sem perceber a pessoa pode estar no caminho para desenvolver uma LER/DORT.

Lesões por Esforços Repetitivos (LER), ou Distúrbios Ósteo Musculares Relacionados ao Trabalho (DORT) são hoje um grande problema de saúde pública.

E para alertar sobre o problema, desde o ano 2000 a Organização Internacional do Trabalho (OIT) instituiu o dia 28 de fevereiro como o Dia Mundial do Combate às LER/DORT.

E para lembrar a data, a Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) estará no período de 5 a 7 de março fazendo ações em call centers da Grande Natal.

De acordo com o Centro Estadual de Referência em Saúde do Trabalhador (CEREST/RN), os profissionais do telemarketing foram escolhidos por ser uma categoria das que mais adoecem.

Devido aos esforços repetitivos, a sobrecarga de trabalho e a pressão por produção. Além dos operadores, entram também nesse grupo, digitadores, secretárias e profissionais que atuam no comércio e em bancos.

Das doenças relacionadas ao trabalho, de acordo com a Sesap, as LER/DORT são o 4° maior agravo responsável por afastamentos temporários, ou até mesmo permanentes, do mercado de trabalho.

De 2006 a 2018 foram notificados aqui no Rio Grande do Norte 608 casos das doenças.

Ficando atrás apenas dos acidentes com material biológico (8467), acidente de trabalho grave (4716) e transtornos mentais (759). Em 2017 foram 46 casos notificados de LER/DORT, destes 19 eram da cidade de Caicó.

Por outro lado, de acordo com CEREST/RN, os dados podem fugir a realidade do estado, pois ainda há um número de subnotificação, onde a maioria das pessoas não buscam os serviços de saúde e na maioria das vezes não conseguem identificar essas síndromes.

Algumas são bem conhecidas como a lombalgia, síndrome da tensão cervical, bursites, síndrome do túnel do carpo, as tendinites, entre outras.

Os trabalhadores que são acometidos por LER/DORT precisam procurar tratamento adequado o mais rápido possível.  Antes que o problema se torne irreversível.

Como dicas de prevenção, o Cerest orienta que para cada 50 minutos de atividades repetitivas, o trabalhador deve ter uma pausa por 10 minutos para um descanso, além disso, deve realizar continuamente alongamentos dos punhos, braços e coluna. E o mais importante, ficar atento à postura.
 
Sintomas
 
Os principais sintomas são: dor nos membros superiores e nos dedos, dificuldade para movimentá-los, formigamento, fadiga muscular, alteração da temperatura e da sensibilidade, redução na amplitude do movimento, inflamação.

Na maioria das vezes, esses sintomas estão relacionados com uma atividade inadequada não só dos membros superiores, mas de todo o corpo.
 
Tratamento
 
De acordo com o fisioterapeuta Elielton Pedroza dos Santos, o tratamento dependerá da fase ou grau da LER/DORT. E tem por objetivo melhorar a qualidade de vida do paciente, propiciar alívio dos sintomas e recuperar a capacidade de trabalho.

“Como recursos terapêuticos podem ser utilizados medicamentos (indicação médica), terapias alternativas como acupuntura e a fisioterapia convencional que envolve eletroterapia, termoterapia, crioterapia, cinesioterapia, hidroterapia entre outros. Terapia manual (manipulação vertebral e de segmentos do corpo), terapias corporais e psicoterapia. E se for caso, procedimentos cirúrgicos”, orienta.

MAIS NOTÍCIAS


COMENTÁRIOS