ESTADO

Médica do RN que rasgou receita de paciente após ele dizer que votou em Haddad pede desculpas; "Agi por impulso", afirmou

Foto: Heloísa Guimarães/Inter TV Cabugi
10 Out
09:34 2018
A+   a-
Da redação
A médica Tereza Dantas, que rasgou a receita de um paciente de 72 anos, após ele dizer que votou em Fernando Haddad para presidente pediu desculpas pelo ocorrido. O caso aconteceu nesta segunda-feira (08), no Hospital Giselda Trigueiro, em Natal. A vítima foi o José Alves de Menezes, servidor público aposentado.

Leia mais
Médica rasga receita de paciente após o mesmo dizer que não votaria em Bolsonaro, denuncia Sindsaúde

Tereza Dantas disse que se arrependeu da atitude antes da repercussão do caso, ainda na segunda, e tentou falar com o paciente, mas ele não a atendeu. "Eu pedi perdão a Deus e pedi que ele me ajudasse a tirar de mim essa mágoa. Eu nunca gostei de extremismos e estava me transformando em algo que não gosto. Não deveria ter feito isso, eu sei. Agi por impulso, por isso, peço desculpas", disse a profissional ao Inter TV Cabugi.

O caso veio à tona nesta terça-feira (09), através do Sindicato dos Servidores Públicos da Saúde (Sindsaúde-RN). O aposentado, que é ex-servidor da saúde, disse que procurou o hospital para pegar uma receita e sua médica não estava, por isso, foi encaminhado para ser atendido por Tereza Dantas. Ele explicou que, com a receita em mãos, a médica perguntou em quem ele votou para presidente. O paciente disse que votou em Fernando Haddad, do PT, e em seguida, a médica rasgou a receita.

"Eu disse que votei no Haddad, ai ela disse: 'pois então não dou mais a receita', e rasgou. Duas ou três pessoas também viram, respondi na inocência. Nem sabia quem era o candidato dela. Nunca votei no PT, nunca fui fanático por partido nenhum. Essa foi a primeira vez que votei nele", acrescentou o paciente dizendo que se sentiu constrangido com a situação.

Diante disso, o paciente procurou o sindicato e foi até a 7ª Delegacia de Polícia Civil de Natal, onde fez um boletim de ocorrência.

Em nota, a Secretaria de Saúde Pública (Sesap) informou que a direção do Hospital Giselda Trigueira ainda não havia sido notificada sobre o caso. Também informou que esta não é uma conduta adotada pelo Hospital, nem muito menos de orientação do órgão.

"Assim que for notificada, a direção da unidade iniciará um processo de abertura de procedimento de sindicância e tomará as medidas cabíveis dentro da Lei", disse a nota.

Conforme a vice-coordenadora do Sindicato da Saúde do Rio Grande do Norte (Sindsaúde), Simone Dutra, a entidade prestou assistência ao idoso e o caso está com o setor jurídico do sindicato, que está preparando uma denúncia ao Conselho Regional de Medicina (CRM) e estuda a possibilidade de entrar com ações no âmbito criminal e civil, contra a médica, em nome do servidor aposentado.

MAIS NOTÍCIAS


COMENTÁRIOS