18 JUN 2019 | ATUALIZADO 16:02
POLÍCIA

Condenado a 17,5 anos por homicídio, Piaba volta ao banco dos réus

Piaba vai ser julgado nesta terça-feira, dia 11, por outro homicídio, igualmente qualificado, ocorrido no dia 14 de junho de 2014, que teve como vítima Naldo Pereira dos Santos da Silva
10/06/2019 17:14
Atualizado
10/06/2019 19:05
A+   A-  
Condenado a 17,5 anos por homicídio, Piaba volta ao banco dos réus
Piaba está condenado a 17 anos e 5 meses por homicidio qualificado e nesta terça-feira vai ser julgado por outro homicídio, igualmente qualificado
Blog 4DZ Patrulia

O homicida Francisco Allison da Silva, o Piaba, de 25 anos, que já é condenado a 17 anos e 5 meses de prisão por matar Jailton Juvino dos Santos, o Gaguin, em março de 2014, volta ao banco dos réus nesta terça-feira, dia 11, novamente por homicídio.

Veja mais

Piaba pega 17,5 anos de prisão por assassinato

Piaba, como é mais conhecido o assassino no sistema prisional, vai responder desta vez perante a sociedade pelo assassinato de Naldo Pereira dos Santos da Silva, ocorrido no dia 14 e junho de 2014. 

Veja mais

Condenado a 17,5 anos por assassinato, Piaba volta ao banco dos réus

Neste caso, Naldo estava conversado com vários amigos num bar no bairro Barrocas, zona norte de Mossoró, quando Piaba chegou sozinho, de arma em punho e mandou a vítima se ajoelhar, pois iria mata-lo. 

Naldo tentou desarmar Piaba, que disparou a arma e o matou no local. O crime foi testemunhado por Francisco Elias da Silva e Edmilson Hemetério do Couto, que estão arrolados como testemunhas no processo.

Piaba, antes de fugir do local, apontou a arma na direção das testemunhas e disse que mataria qualquer um se o entregasse. O assassino fugiu na direção do bairro Santo Antônio, onde foi preso loteamento Santa Helena.


O júri

O julgamento deve começar por volta das 8h30, com o juiz Vagnos Kelly Figueiredo de Medeiros fazendo o sorteio dos sete jurados. Em seguida está previsto a oitiva das testemunhas e do réu, que está preso.

O promotor Armando Lucio Ribeiro terá 90 minutos para detalhar o caso aos sete jurados e pedir a condenação do réu por assassinato em sua forma qualificada, considerando que o crime foi por motivo banal.

O defensor público Diego Melo terá o mesmo tempo para fazer uma exposição do processo fazendo a defesa do réu. O julgamento deve ser concluído antes do meio dia, com o anúncio da sentença do réu.

Notas

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário