23 MAR 2019 | ATUALIZADO 09:07
MOSSORÓ

Juri absolve acusado de matar amigo em mesa de bar há 10 anos

Reú tambéma parece como vitima neste mesmo processo. É que após matar o amigo, outro companheiro de bebedeira tentou o matar com 3 golpes de falcão
DA REDAÇÃO
12/03/2019 17:20
Atualizado
12/03/2019 17:20
A+   A-  
Juri absolve acusado de matar amigo em mesa de bar há 10 anos
O Tribunal do Júri Popular voltou a se reunir, nesta terça-feira (12), no Fórum Municipal de Mossoró, para julgar mais um crime contra a vida. Este ocorrido no dia 22 de março de 2009, no bairro Belo Horizonte, em Mossoró-RN

O Tribunal do Júri Popular voltou a se reunir, nesta terça-feira (12), no Fórum Municipal de Mossoró, para julgar mais um crime contra a vida. Este ocorrido no dia 22 de março de 2009, no bairro Belo Horizonte, em Mossoró-RN.

O julgamento começou as 8h30, com a instalação dos trabalhos pelo juiz Vagnos Kelly Figueiredo de Medeiros. Após sorteio dos sete membros do Conselho de Sentença, ouve a oitiva das partes e o início dos debates.

O réu e também vítima: Francisco Jurandir de Araújo de Paula

A vítima: José Walter Clementino de Medeiros Filho

Outro réu: Reginaldo Fernandes Pimenta

O CASO

Segundo relata o Ministério Público Estadual, a vítima e o acusado estavam conversando numa mesa de bar e ingerindo bebida alcoólica. Num determinado momento começou a confusão entre eles.

O réu que está sendo julgado hoje, Francisco Jurandir, sacou o revólver e matou José Walter Clementino.

Em seguida, o outro réu, Reginaldo Fernandes, sacou um facão e desferiu 3 golpes em Francisco Jurandir e, em seguida, fugiu do local.

Francisco Jurandir, acusado de matar José Walter e vítima das facãozadas, foi socorrido para o Hospital Regional Tarcísio Maia.

O caso foi investigado e todos os passos esclarecidos. Depois que tramitou em juízo, o juiz Vagnos Kelly Figueiro o pronunciou para julgamento.

Está sendo levado a julgamento pela sociedade mossoroense dez depois do ocorrido. Após as considerações do promotor Italo Moreira Martins e dos advogados Abrão e Justino Dutra, o Conselhode Sentença foi convocado a Sala Secreta para votar pela condenação ou não.

O Conselho de sentença optou por não punir o réu por matar José Walter.

Notas

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário