22 JAN 2022 | ATUALIZADO 23:18
MOSSORÓ
DA REDAÇÃO
26/04/2019 11:04
Atualizado
26/04/2019 11:04

Petroleiros protestaram em função da venda dos campos da Petrobrás no RN

A+   A-  
Segundo o SINDIPETRO/RN, existe uma suspeita de fraude na licitação, peculato e improbidade administrativa, visto que o valor a ser pago pela Petrorecôncavo pelas 34 concessões do campo de Riacho da Forquilha está abaixo valor exigido por lei.
Imagem 1 -  Os petroleiros inicaram o protesto na manhã desta sexta-feira, em frente a base da Petrobrás, em Mossoró.
Os petroleiros inicaram o protesto na manhã desta sexta-feira, em frente a base da Petrobrás, em Mossoró.

Na manhã desta sexta-feira (26) petroleiros se reuniram em frente a base da Petrobrás, em Mossoró, para protestar em função da venda dos campos de petróleo do RN.

A manifestação se dá devido a suspeita de fraude na venda das 34 concessões do campo de Riacho da Forquilha. A compra foi efetuada nesta quinta-feira (25), pela empresa privada Petrorecôncavo, do Rio de Janeiro.

A Petrobrás anunciou a venda e informou que a empresa pagou o valor de US$ 384 milhões pelos 34 campos, abaixo do exigido por lei.

Veja mais:

Petrobrás conclui cessão dos 34 poços terrestres da bacia potiguar.


Para o SINDIPETRO/RN, a operação apresenta varias suspeitas de Fraude de Licitação, Peculato e Improbidade Administrativa. Isso porque o valor a ser pago tem um deficit de R$ 270 milhões de reais.

O valor está abaixo do exigido pela Lei de Licitações, N° 8.666/93, pela Lei de Estatais N°13.303/2016 e pelo regulamento interno da Petrobrás, o que leva a uma grave suspeita de fraude e corrupção nesse processo.

O SINDIPETRO/RN que saber o porquê de a Petrobrás estar descumprindo a legislação e quem ganha com a venda do Riacho da Forquilha.

Durante o protesto, os petroleiros disse que não vão aceitar uma venda fora do que determina a lei. “Os trabalhadores do SINDIPETRO não vão aceitar essa venda obscura, com suspeita de corrupção, no Riacho da Forquilha. Defender a Petrobrás é defender o Brasil”, afirmaram.

Notas

Tekton

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário