21 AGO 2019 | ATUALIZADO 09:44
ESTADO

Polícia Civil do RN realiza 24h de paralisação conta a Reforma da Previdência

A paralisação teve início as 8h desta terça-feira (25) e segue até as 8h desta quarta-feira (26). Em Mossoró e Natal apenas as delegacias de plantão estão funcionando para a realização de flagrantes e procedimentos de urgência.
DA REDAÇÃO
25/06/2019 11:05
Atualizado
25/06/2019 12:19
A+   A-  
Polícia Civil do RN realiza 24h de paralisação conta a Reforma da Previdência
Polícia Civil do RN realiza 24h de paralisação conta a Reforma da Previdência. A paralisação teve início as 8h desta terça-feira (25) e segue até as 8h desta quarta-feira (26). Em Mossoró e Natal apenas as delegacias de plantão estão funcionando para a realização de flagrantes e procedimentos de urgência.
FOTO: CEDIDA/PCRN

Nesta terça-feira (25) os Policiais Civis do Rio Grande do Norte estão realizando uma paralisação contra a Reforma da Previdência.

De acordo com a assessoria de imprensa do Sindicato do Policiais Civis e Servidores da Segurança Pública (Sinpol-RN) a paralisação teve início as 8h desta terça e segue até as 8h desta quarta-feira (26).

De acordo com Alison Rodrigues, Diretor do Sinpol, em Mossoró todas as delegacias aderiram à paralisação. Apenas a delegacia de plantão, no Alto de São Manoel, estará funcionando para a realização de flagrantes e alguma emergência.

Em Natal, das 15 delegacias distritais apenas os plantões continuam funcionando para atendimento à população.

Assim como policiais federais, rodoviários federais e guardas municipais, os policiais civis lutam para terem as peculiaridades da profissão levadas em conta dentro do projeto da reforma da Previdência.

“Nossa paralisação é em decorrência da Reforma da Previdência, pois o texto enviado deixa a polícia civil de fora, representando a perda de direitos e retrocessos para a categoria”, explicou Alison.

A paralisação está sendo realizada em conjunto com policiais civis de todo o país, sendo promovida pela Cobrapol e pela União dos Policiais do Brasil (UPB).

"Essas duas deliberações são extremamente importantes, pois essa reforma da Previdência é a pauta mais urgente que temos. Estamos correndo sérios riscos de perdermos o direito a uma aposentadoria digna. Inclusive, a proposta atual afeta até mesmo os já aposentados, tendo em vista que haverá aumento da alíquota e, consequentemente, redução salarial", afirma Nilton Arruda, presidente do Sindicato.


Notas

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário