08 ABR 2020 | ATUALIZADO 18:52
MOSSORÓ
30/01/2020 14:42
Atualizado
30/01/2020 15:32

Allyson cobra agilidade da prefeitura de Mossoró na contratação de leitos de UTI

A+   A-  
Os 10 novos leitos foram credenciados em dezembro de 2019, mas até o momento a prefeitura não providenciou a contratualização destes leitos. “O mais difícil foi feito, depois de quase três anos de enrolação. Não devemos nos calar. Estão brincando com a vida alheia”, disse o deputado.
Imagem 1 -
FOTO: REPRODUÇÃO

“A simples contratação dos leitos de UTI com o hospital ainda não foi feita pela prefeita Rosalba Ciarlini Rosado. Enquanto isso pessoas estão na fila da morte. O mais difícil foi feito, depois de quase três anos de enrolação. Não devemos nos calar. Estão brincando com a vida alheia”.

A declaração é do deputado estadual Allyson Bezerra (Solidariedade) e se refere à burocratização da contratação por parte da Prefeitura de Mossoró dos 10 leitos de UTI do Hospital São Luiz.

Veja mais:

Mossoró corre risco de perder os 10 leitos de UTI que conseguiu em dezembro


Allyson destaca que incontáveis pessoas precisam de leito de UTI, enquanto o Hospital São Luiz tem 10 credenciados e a municipalidade não dá agilidade.

HISTÓRICO

O Hospital São Luiz recebeu em dezembro do ano passado o credenciamento dos 10 leitos de UTI do Sistema Único de Saúde (SUS). A burocratização do processo na instância estadual já durava mais de dois anos.

Allyson tomou conhecimento da problemática logo que assumiu o mandato, em 2019. Abraçou a causa e buscou a resolução da questão junto à Secretaria do Estado de Saúde Pública (SESAP).

Também viajou diversas vezes à Brasília-DF, onde tratou o assunto com os deputados federais e senadores do RN. Isso tudo está documentado nas próprias redes sociais do parlamentar, que recebeu agradecimento público dos diretores do hospital.

Hoje, a realidade é que o Hospital São Luiz aguarda ansiosamente para prestar o serviço e não vê o desfecho dessa história.

Os diretores chegam a ser cobrados e questionados pela própria população e pela imprensa sobre o porquê ainda não terem sido contratados para prestar o atendimento na cidade.

"Que interesses obscuros estão por trás dessa situação? A gente sabe que a própria prefeita podia ter participado dessa luta, mas se esquivou sempre. Não existe uma única declaração pública dela em texto, vídeo ou áudio trabalhando por essa causa, em audiência com ministro de Saúde, secretário de Saúde, reunida com bancada federal etc. Nada, absolutamente nada. Talvez queira entrar para a história como a prefeita que impediu milhares de pessoas de terem uma chance à vida", desabafou o deputado.


Notas

Brinds

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário