08 AGO 2020 | ATUALIZADO 20:10
NACIONAL
COM INFORMAÇÕES DO G1
09/07/2020 17:16
Atualizado
09/07/2020 17:20

Queiroz e a esposa poderão cumprir prisão domiciliar, decide Ministro do STJ

A+   A-  
O ex-assessor do então deputado Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz, está preso desde o dia 18 de junho. A mulher dele, Márcia de Aguiar, encontra-se foragida. Queiroz e Márcia são alvos de investigação sobre o esquema das "rachadinhas" na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.
Imagem 1 -
FOTO: REPRODUÇÃO

O ministro João Otávio Noronha, presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), decidiu nesta quinta-feira (9) conceder prisão domiciliar a Fabrício Queiroz e à mulher dele, Márcia de Aguiar.

Ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), Queiroz está preso desde 18 de junho, quando a Polícia Federal deflagrou a Operação Anjo.

Veja mais:

Ex-assessor de Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz é preso em São Paulo

Flávio diz que prisão de Queiroz é só tentativa de “atacar” Bolsonaro


Queiroz é alvo de investigação sobre o esquema das "rachadinhas" na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. Márcia Aguiar, cuja prisão foi determinada na mesma operação, é considerada foragida.

Os pedidos de liberdade de Queiroz e de Márcia chegaram ao STJ no dia 7, após o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro ter decidido enviar o caso ao tribunal superior.

Coube ao ministro Noronha analisar o tema porque, pelas regras internas do tribunal, o presidente do STJ é o responsável por decidir sobre questões urgentes no recesso.


PEDIDO DE QUEIROZ

No pedido de liberdade, a defesa de Queiroz usou como argumento o "atual estágio da pandemia do coronavírus". Os advogados disseram que Queiroz "é portador de câncer no cólon e recentemente se submeteu a cirurgia de próstata".

Outro argumento utilizado pela defesa diz respeito à documentação que comprovaria que Queiroz passou por uma cirurgia há dois meses.

Os advogados, porém, dizem não ter conseguido "prontuários, laudos e relatórios médicos" porque a Santa Casa da cidade paulista de Bragança Paulista exigiu que houvesse "determinação legal" para a entrega dos documentos.

Em 2019, Queiroz fez um tratamento no Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo. Ele pagou R$ 133,5 mil em espécie por uma cirurgia.


Notas

AME

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário