25 JAN 2021 | ATUALIZADO 17:49
POLÍTICA
03/01/2021 08:54
Atualizado
03/01/2021 09:29

"Negócio é terrível", diz Allyson ao decretar calamidade financeira em Mossoró

A+   A-  
A equipe financeira do prefeito Allyson Bezerra encontrou Mossoró no Serasa dos Municípios (Cauc) e também impossibilitado de receber IPTU nos próximos 2 meses, entre outras situações terríveis do ponto de vista administrativo. O quadro caótico levou o atual gestor a publicar no Jornal Oficial do Município, JOM deste sábado, 2, 8 decretos, visando economizar recursos e dá mais eficiência à máquina pública.
Imagem 1 -  A equipe financeira do prefeito Allyson Bezerra encontrou Mossoró no Serasa dos Municípios (Cauc) e também impossibilitado de receber IPTU nos próximos 2 meses, entre outras situações terríveis do ponto de vista administrativo.  O quadro caótico levou o atual gestor a publicar no Jornal Oficial do Município, JOM deste sábado, 2, 8 decretos, visando economizar recursos e dá mais eficiência à máquina pública.
A equipe financeira do prefeito Allyson Bezerra encontrou Mossoró no Serasa dos Municípios (Cauc) e também impossibilitado de receber IPTU nos próximos 2 meses, entre outras situações terríveis do ponto de vista administrativo. O quadro caótico levou o atual gestor a publicar no Jornal Oficial do Município, JOM deste sábado, 2, 8 decretos, visando economizar recursos e dá mais eficiência à máquina pública.
FOTO: CÉLIO DUARTE

No primeiro dia de trabalho, o prefeito Allyson Bezerra e os secretários descobriram as razões pelas quais a ex-prefeita Rosalba Ciarlini não repassou a documentação sobre as questões financeiras durante  período de transição, nem mesmo com determinação da Justiça, seguindo o que prevê legislação.

A ex-gestora deixou o município sem poder receber recursos federais (está no Cauc - o Serasa dos municípios) e também não poderá cobrar o IPTU nos próximos 2 meses. "Negócio é terrível", diz Allyson Bezerra, ao decretar estado de calamidade financeira em seu primeiro pacote de decretos municipais.

O estado de calamidade administrativa e financeira no Município foi Publicado no Jornal Oficial de Mossoró (JOM), neste sábado (2). O decreto nº 5.939/2021 compõe pacote de ações para economizar recursos e dar mais eficiência à máquina pública.

Ao todo, são oito decretos para enfrentar a crise econômica, financeira e fiscal que atinge a municipalidade.

O prefeito Allyson Bezerra justifica os ajustes da máquina pública a uma série de dificuldades. Entre elas, salários atrasados de servidores municipais e a expectativa, no Orçamento 2021, que as despesas com pessoal superem o limite prudencial da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). 

“Conforme a LOA de 2021 (Lei Orçamentária Anual), os gastos com pessoal em Mossoró deverão atingir 57,50% da receita, acima do limite máximo, que é de 54%”, alerta o prefeito, ao comparar que, em Fortaleza (CE), esse percentual é de apenas 28,57%.

O prefeito também ressalta que a transição de governo não alcançou os objetivos da Resolução do TCE/RN nº 34, de 03 de novembro de 2016, uma vez que não foram entregues documentos essenciais à manutenção dos serviços públicos municipais.

Lembra que essa situação motivou, inclusive, ingresso na Justiça de Mandado de Segurança, no qual foi deferida liminar para que a equipe de transição tivesse acesso a documentos e senhas da gestão, mas que ainda não foi integralmente cumprida.

Segundo o prefeito, a atual gestão não teve acesso à íntegra dos contratos e convênios do Município e que haverá frustação de receita decorrente da não regulação do Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU) pela gestão anterior, o que causará impacto negativo nas receitas municipais no primeiro bimestre.

“Adotamos uma série de medidas para garantir e melhorar, num futuro próximo, os serviços públicos municipais para todos os mossoroenses”, diz Allyson Bezerra, ao lembrar ainda dificuldades impostas pela pandemia de Covid-19, especialmente o cumprimento de vários Termos de Ajustes de Condutas firmados com os Ministérios Púbicos Federal, Estadual e do Trabalho.


Outras medidas

Decreto 5.941/2021 – Estimula recolhimento do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) para o exercício de 2021, ao estabelecer 25% de desconto para pagamento em quota única, com vencimento até o dia 26/02/2021; 5% para o pagamento em oito parcelas mensais, de acordo com o novo quadro de vencimentos: quota única/1ª quota (26/02/2021); 2ª quota (31/03/2021); 3ª quota (30/04/2021); 4ª quota (31/05/2021); 5ª quota (30/06/2021); 6ª quota (30/07/2021); 7ª quota (31/08/2021) e 8ª quota (29/09/2021)

Decreto 5.944/2021 – Suspensão temporária de horas extras e diárias de viagem, exceto casos excepcionais. Suspensão de contratos de telefonia móvel, viagem, hospedagem e prestação de serviços de consultoria e assessoria e revisão de todos os convênios em 60 dias. 

Decreto 5.940/2021 – Suspensão temporária de funções gratificadas, exceto solicitação devidamente fundamentada dos (a) secretários (a) e em razão de interesse público para funções de direção, chefia e assessoramento das pastas.

Decreto 5.943/2021 – Identificação, em trinta dias, de equipamentos e imóveis alugados; veículos próprios e locados; empresas e serviços terceirizados e respectivos empregados. Listagem de patrimônio mobiliário, linhas telefônicas, servidores, com as respectivas funções gratificadas, e estagiários, todos os contratos e convênios em vigor, entre outras medidas. Estabelece avaliação de despesa com pessoal nos últimos 48 meses, no prazo de trinta dias; inventariação de todos os imóveis do Município, incluindo os doados ou cedidos em comodato nos últimos 48 meses e identificação dos convênios e contratos de doação dos dois distritos industriais do Município de Mossoró, no prazo de trinta dias.

Decreto 5.945/2021 – Identificação, no prazo de trinta dias, da variação de receita total do Poder Executivo dos últimos 48 meses e valores a serem inscritos em Restos a Pagar (processados e não processados), com os seus respectivos saldos. Nenhuma despesa será reconhecida ou paga sem que tenha sido previamente contratada.

Decreto 5.944/2021 – Ampliação do atendimento ao cidadão nos órgãos públicos municipais. A determinação é garantir que o atendimento ao público seja, no mínimo, das 7h às 14h. 

Decreto 5.946/2021 – Estabelece retorno à Prefeitura, em trinta dias, de servidores públicos cedidos para outros órgãos, como Poder Legislativo e órgãos ou a entidades da União, dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal.

Notas

AME

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário