08 MAI 2021 | ATUALIZADO 18:16
SAÚDE
Com informações do G1
11/04/2021 09:07
Atualizado
11/04/2021 09:36

Serrana, em São Paulo, é a primeira cidade do Brasil a imunizar a população

A+   A-  
Município distante 315 km da capital São Paulo, Serrana fez parte de um estudo científico do Instituto Butantan para analisar os efeitos da vacina CoronaVac; Para tanto, concluiu a vacinação neste domingo de 28 dos 45,6 mil moradores do município; A pesquisa começou no dia 17 de fevereiro e termina no final da tarde deste domingo, 11; O tema é reportado pelo G1
Imagem 1 -  Município distante 315 km da capital São Paulo, Serrana fez parte de um estudo científico do Instituto Butantan para analisar os efeitos da vacina CoronaVac; Para tanto, concluiu a vacinação neste domingo de 28 dos 45,6 mil moradores do município; A pesquisa começou no dia 17 de fevereiro e termina no final da tarde deste domingo, 11; O tema é reportado pelo G1
Município distante 315 km da capital São Paulo, Serrana fez parte de um estudo científico do Instituto Butantan para analisar os efeitos da vacina CoronaVac; Para tanto, concluiu a vacinação neste domingo de 28 dos 45,6 mil moradores do município; A pesquisa começou no dia 17 de fevereiro e termina no final da tarde deste domingo, 11; O tema é reportado pelo G1
FOTO: Prefeitura municipal de Serrana

O município de Serrana (SP) conclui neste domingo, 11, a vacinação de 28 dos 45,6 mil moradores do município, distante 315 km da capital São Paulo. Só não foram vacinadas as crianças e as mulheres grávidas. O destaque é do G1

É o primeiro município no Brasil a concluir a vacinação em massa contra a covid19. E isto só foi possível porque a população do município faz parte de um estudo do Instituto Butantan, de SP.

Trata-se do Projeto S, que analisa cientificamente a eficácia da vacina CoronaVac/Butantan, contra a transmissão do novo coronavirus e também a queda de mortes em função da covid19.

A pesquisa científica começou no dia 17 de fevereiro. Oito escolas do município foram usadas como base para aplicar as duas doses da CoronaVac e também coletar e analisar os dados da pesquisa do Instituto Butantan.

Os pesquisadores destacaram que as mulheres, antes de receber a primeira dose, fizeram exames de sande, devido à possibilidade de gestação no período entre a primeira e a segunda dose.

A conclusão da vacinação em massa na cidade de Serrana será marcada com uma solenidade, prevista paras às 18 horas deste domingo, 11, com a presença do diretor do Butantan, Dimas Covas.

O projeto S

A população foi dividida em 4 grupos para receber as duas doses da vacina.

Grupo verde: 6.763 voluntários (1ª dose) / 6.350 voluntários (2ª dose);

Grupo amarelo: 6.470 voluntários (1ª dose) / 6.045 voluntários (2ª dose);

Grupo cinza: 6.049 voluntários (1ª dose) / 5.575 voluntários (2ª dose);

Grupo azul: 8.425 voluntários (1ª dose)/ 3.985 voluntários até quinta-feira (2ª dose).

Por terem ficado de fora dos testes nas fases anteriores dos estudos sobre a vacina, somente não puderam ser imunizadas mulheres grávidas ou em amamentação, quem teve febre 72 horas antes da vacinação e pessoas com doenças graves.

Quem foi vacinado através do projeto, será monitorado por um ano, através de um programa de vigilância com auxílio de uma inteligência artificial criada em parceria com o WhatsApp.

Pesquisadores do instituto ressaltam que os primeiros resultados práticos serão colhidos a partir do décimo quinto dia que foi aplicado a segunda dose do imunizante.

A previsão do Butantan é ter os primeiros resultados em maio próximo.


Gratidão

A cabeleireira Marly dos Santos, de 68 anos, diz: "Estou muito feliz e muito esperançosa para que tudo volte ao normal. Quero agradecer a todos da equipe, que foram maravilhosos. A gente está muito feliz. O povo de Serrana agradece muito. Eu tenho certeza: é vida que segue agora", afirma.

A enfermeira Rosa Magda, de 46 anos, declarou: "Minha esperança é que todas as pessoas, tanto aqui de Serrana como do Brasil e do mundo, possam ter a oportunidade de também receber essa vacina, para que o número de infectados possa diminuir constantemente e a gente possa ficar livre dessa doença tão devastadora", diz.

A decoradora Aline Pereira, de 31 anos, falou: "É a luz do fim do túnel que a gente precisava. Nossa cidade é muito grata. Eu, particularmente, por poder voltar ao trabalho, fazer as pessoas felizes, sorrir, abraçar. A gente está sendo privado de tudo isso, mas acredito que, logo logo, vamos poder decolar de novo e vai dar tudo certo", diz.

O universitário Hugo DeGaspari Reis, de 21 anos, fala em privilégio: "Pra mim, significa muito. Acredito fielmente que esses pequenos momentos devem ser celebrados, especialmente neste momento que a gente vive onde tudo é muito pesado e incerto", afirma.

Legado

O prefeito Leo Capitelli, do MDB, fala em legado e visibilidade internacional para o município: "Na maior pandemia do século e a maior crise sanitária do Brasil, Serrana está sendo protagonista de um projeto único no mundo de pesquisa, podendo contribuir com a ciência do Brasil e do mundo", afirma o prefeito Léo Capitelli (MDB).


Notas

Posto JP Fevereiro de 2021

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário