25 FEV 2024 | ATUALIZADO 11:05
ESTADO
04/12/2023 10:04
Atualizado
04/12/2023 10:04

Assú tem três meses para realizar estudo sobre impacto de criação de cargos

A+   A-  
Os cargos, nas áreas fiscais urbanística e ambiental, foram criados pela Lei Complementar nº 181/2023. A determinação da 1ª Vara da Comarca do município, visa a realização de estudo técnico, atualizado e detalhado, no prazo de três meses, que seja subscrito por profissional habilitado, acerca do impacto orçamentário, financeiro e fiscal das despesas relacionadas aos novos cargos, a fim de que não exista impedimento legal à realização do concurso público para provimento do número necessário de cargos efetivos atualmente; entenda.
Imagem 1 -  Assú tem três meses para realizar estudo sobre impacto de criação de cargos. Os cargos, nas áreas fiscais urbanística e ambiental, foram criados pela Lei Complementar nº 181/2023. A determinação da 1ª Vara da Comarca do município, visa a realização de estudo técnico, atualizado e detalhado, no prazo de três meses, que seja subscrito por profissional habilitado, acerca do impacto orçamentário, financeiro e fiscal das despesas relacionadas aos novos cargos, a fim de que não exista impedimento legal à realização do concurso público para provimento do número necessário de cargos efetivos atualmente; entenda.
Assú tem três meses para realizar estudo sobre impacto de criação de cargos. Os cargos, nas áreas fiscais urbanística e ambiental, foram criados pela Lei Complementar nº 181/2023. A determinação da 1ª Vara da Comarca do município, visa a realização de estudo técnico, atualizado e detalhado, no prazo de três meses, que seja subscrito por profissional habilitado, acerca do impacto orçamentário, financeiro e fiscal das despesas relacionadas aos novos cargos, a fim de que não exista impedimento legal à realização do concurso público para provimento do número necessário de cargos efetivos atualmente; entenda.
FOTO: REPRODUÇÃO

A 1ª Vara da Comarca de Assú determinou ao Município a realização de estudo técnico, atualizado e detalhado, no prazo de três meses a contar da ciência da decisão, que seja subscrito por profissional habilitado, acerca do impacto orçamentário, financeiro e fiscal das despesas relacionadas aos novos cargos criados pela Lei Complementar nº 181/2023, a fim de que não exista impedimento legal à realização do concurso público para provimento do número necessário de cargos efetivos atualmente.

Esses cargos estão ocupados por contratados temporários e, conforme a decisão, por se tratar de Poder Público, somente pode resolver o conflito por autocomposição quando há autorização normativa para isso e, no caso, não houve a designação de audiência de conciliação (como define o artigo 334, parágrafo 4º, CPC).

Segundo os autos, houve a instauração de dois inquéritos civis, visando, respectivamente, a averiguação da ausência de fiscais na área urbanística/ambiental em exercício no Município de Assú, bem como a necessidade de realização de concurso público, diante da detecção de diversas contratações temporárias irregulares.

De acordo com a decisão, tais contratações temporárias abrangem o exercício de atividade respectiva a cargos permanentes, mesmo diante das disposições constitucionais, que, em junho de 2022, correspondem a cerca de 40% do número de efetivos, conforme dados trazidos pelo Portal da Transparência.

"Alem disso, a ausência da atuação de fiscal na área urbanística e ambiental demonstra que o Município não exerce efetivamente o seu poder de polícia ambiental e urbanístico, de modo que a proteção constitucional ao meio ambiente está deficitária", ressalta a juíza Aline Daniele Cordeiro.

Ainda conforme o julgamento, não se justifica que serviços de natureza permanente e que fazem parte das atribuições legais e constitucionais da municipalidade, tais como fiscal na área urbanística/ambiental, assistentes sociais, dentre outros, sejam preenchidos de maneira temporária.


Notas

Tekton

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário