21 JUL 2024 | ATUALIZADO 13:56
ESTADO
19/06/2024 15:03
Atualizado
19/06/2024 15:03

Governo do RN distribui mais de 380 mil raquetes de palma em 2024; Ação beneficiou mais de 300 famílias

A+   A-  
Até a primeira quinzena de junho de 2024 foram distribuídas mais de 382 mil raquetes beneficiando mais de 300 famílias de agricultores e pequenos produtores rurais no Rio Grande do Norte. A palma forrageira é uma planta resistente e altamente nutritiva, rica em energia, ideal para alimentação de animais como o gado bovino, caprino e ovino. Ela possui características que a tornam uma excelente opção para regiões semiáridas e com escassez de água, sendo uma alternativa para a sustentabilidade das atividades agropecuárias locais.
Imagem 1 -  Até a primeira quinzena de junho de 2024 foram distribuídas mais de 382 mil raquetes beneficiando  mais de 300 famílias de agricultores e pequenos produtores rurais no Rio Grande do Norte. A palma forrageira é uma planta resistente e altamente nutritiva, rica em energia, ideal para alimentação de animais como o gado bovino, caprino e ovino. Ela possui características que a tornam uma excelente opção para regiões semiáridas e com escassez de água, sendo uma alternativa para a sustentabilidade das atividades agropecuárias locais.
Até a primeira quinzena de junho de 2024 foram distribuídas mais de 382 mil raquetes beneficiando mais de 300 famílias de agricultores e pequenos produtores rurais no Rio Grande do Norte. A palma forrageira é uma planta resistente e altamente nutritiva, rica em energia, ideal para alimentação de animais como o gado bovino, caprino e ovino. Ela possui características que a tornam uma excelente opção para regiões semiáridas e com escassez de água, sendo uma alternativa para a sustentabilidade das atividades agropecuárias locais.

Como parte do Projeto Palma, a Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte – Emparn segue realizando entregas de raquetes-semente de palma forrageira, tolerantes à cochonilha-do-carmim, para agricultores familiares de todas as regiões do estado. O projeto conta com recursos do Governo Federal, por meio do Ministério de Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar (MDA) e da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene).

Até a primeira quinzena de junho de 2024 foram distribuídas mais de 382 mil raquetes beneficiando famílias de agricultores e pequenos produtores rurais no Rio Grande do Norte.

A família de José Mateus, pequeno agricultor da cidade de Cruzeta, foi um dos contemplados com a doação de palma dos campos de produção da Emparn. Ele participa do projeto ‘Semeando Esperança’ -desenvolvido em parceria com o Seapac e o Banco do Nordeste-, que promove em comunidades rurais o reuso de águas cinzas (águas impróprias para o consumo humano e seriam descartas) na irrigação das plantações. “Recebi raquetes de palma e estacas de gliricídea. Com o reuso da água na plantação vou garantir o alimento para o meu rebanho na época da estiagem”, comentou.

Água de torneira, de lavar roupa, de cozinhar que eram desperdiçadas, agora com as orientações do projeto do SEAPAC são canalizadas para um plantio. “Essas plantas doadas pela Emparn estão sendo irrigadas com as águas cinzas e assim vão garantir uma ração a mais para o meu rebanho. Com isso vou conseguir ter uma estabilidade de ração que vai fazer com que o meu rebanho não passe fome durante a seca”, completou.

O município de Lagoa de Velhos foi um dos beneficiados com a distribuição de 21 mil raquetes. O município teve uma grande área afetada nos últimos anos com a cochonilha-do-carmim, inseto praga que ataca a planta provocando sua morte.

“A ação de recomposição requer uma abordagem multidisciplinar, que combina conhecimentos científicos, práticas agrícolas sustentáveis, além do engajamento comunitário adotando regular monitoramento da área do plantio. A Emparn e a Emater estão unidas em prol de mitigar os ataques desta praga a partir do reforço no plantio de raquetes-semente tolerantes à cochonilha-do-carmim”, comentou o pesquisador Embrapa/Emparn, Guilherme Ferreira Costa Lima, que coordena o Projeto Palma no RN.

As ações relacionadas a distribuição de palma forrageira no RN contam com diversas parcerias entre elas a Emater, Sedraf/RN, Federação da Agricultura e Pecuária do RN (Faern/Senar), Serviço de Apoio aos Projetos Alternativos Comunitários – Seapac, Sebrae/RN, IFRN, Institutos Sertões e Instituto Riachuelo. “O produtor interessado pode procurar qualquer uma delas e ainda pode solicitar diretamente a Emparn e a SAPE”, comentou o pesquisador Embrapa/Emparn que coordena o projeto, Guilherme Ferreira Costa Lima.

Durante as feiras agropecuárias, eventos integrantes do Calendário Estadual de Exposições Agropecuárias do RN, do Governo do Rio Grande do Norte coordenado pela SAPE, também ocorrem doações no espaço da Emparn dentro do estande do Governo.

Pesquisa

A palma forrageira é uma planta resistente e altamente nutritiva, rica em energia, ideal para alimentação de animais como o gado bovino, caprino e ovino. Ela possui características que a tornam uma excelente opção para regiões semiáridas e com escassez de água, sendo uma alternativa para a sustentabilidade das atividades agropecuárias locais.

A Emparn realiza pesquisas sobre a cactácea há mais de 20 anos no Rio Grande do Norte com ações voltadas à produção e distribuição de raquetes-semente, desenvolvimento de ações de pesquisa e eventos de transferência de tecnologia.

Os pesquisadores Florisvaldo Guedes e Guilherme Ferreira Costa Lima ministraram palestras durante ‘Dia de campo sobre reúso de água cinza na produção de forrageiras’ ,promovido pela Secretaria de Estado do Desenvolvimento Rural e da Agricultura Familiar (SEDRAF) na cidade de Lajes. Na oportunidade, eles compartilharam com os participantes, informações técnicas sobre o plantio de culturas forrageiras, em especial a palma forrageira, bem como sobre o manejo da irrigação de culturas forrageiras, além de trocarem experiências na produção de forragem para alimentação animal.

Em dezembro de 2023, reuniu, com a participação de mais de 100 pessoas (entre produtores, técnicos e estudantes) em Dia de Campo realizado na Estação Experimental de Apodi/RN; publicação do Documento 49, em formato de cartilha chamado “Caminhos para Expansão e Desenvolvimento da Palma Forrageira no Rio Grande do Norte”. A publicação, que contou com a contribuição de nove pesquisadores, é uma ferramenta importante para difundir tecnologias que vão ajudar o homem do campo a conviver com o semiárido.

Notas

Relativa

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário