13 ABR 2024 | ATUALIZADO 13:43
ESTADO
Por Josemário Alves
15/02/2016 08:46
Atualizado
14/12/2018 08:03

MST interdita rodovias e pede anulação de reintegração da EMPARN de Caicó/RN

A+   A-  
Interdições acontecem simultaneamente nos municípios de Ceará-Mirim, Macaíba e João Câmara. Obstruções das vias foram feitas com fogo, pneus e galhos de árvores.
Imagem 1 -  MST interdita rodovias e pede anulação de reintegração da EMPARN de Caicó/RN
Cedida / PRF

Integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) interditam, pelo menos, três pontos das rodovias federais BR – 304 e 406, na manhã desta segunda-feira (15) no Rio Grande do Norte.

Eles reivindicam a suspensão da liminar que reintegrou a posse de terras pertencente à EMPARN de Caicó em dezembro passado.

De acordo com o inspetor Cabral, da PRF, as interdições acontecem simultaneamente nos municípios de Ceará-Mirim, Macaíba e João Câmara. As obstruções das vias foram feitas com fogo, pneus e galhos de árvores.

Só está sendo permitida a passagem de ambulâncias e situações de urgências.

A reintegração de posse de terras da estação da EMPARN de Caicó foi determinada pela juíza Sophia Nóbrega Câmara Lima, da 9ª Vara Federal de Caicó, após a invasão e ocupação por cerca de 150 integrantes do movimento no dia 29 de novembro de 2015.

Na época, o grupo quebrou os cadeados do portão de entrada da EMPARN, entraram, montaram barracas e acamparam no local.

Seis dias depois, a Justiça determinou a desocupação das terras em até 48h. Para a juíza, houve a perda da posse na parte do imóvel, uma vez que a invasão inviabilizou a continuidade das atividades da EMPARN, além de causar a depredação do bem público, por meio da produção de lixo descartado de forma incorreta, destruindo as plantações destinadas aos experimentos”.

O MST alegou que as terras da EMPARN são as melhores para desenvolver as atividades do grupo. “Nós temos 150 famílias aqui do Seridó e querem terra para trabalhar. Aqui nós encontramos o melhor lugar para isso”, contou o líder do grupo, Damião Sabino, na época.

Notas

Tekton

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário