30 MAI 2024 | ATUALIZADO 07:44
ESTADO
Por Josemário Alves
11/03/2016 09:23
Atualizado
14/12/2018 05:25

Criança de 4 anos come filhote de gato no Alto Oeste e termina no hospital

A+   A-  
Caso aconteceu na cidade de Marcelino Vieira. O garoto foi flagrado pela própria mãe comendo o filhote. Ele estava com a cabeça do animal nas mãos e a boca suja de sangue.
Imagem 1 -  Criança de 4 anos come filhote de gato no Alto Oeste e termina no hospital
Cézar Alves / Arquivo MH

Um garoto de apenas 4 anos foi hospitalizado nesta quinta-feira (10), após vivenciar um episódio incomum na cidade de Marcelino Vieira, na região do Alto Oeste potiguar. Ele comeu o filhote de um gato que tinha ganhado da mãe há poucos dias.

A informação foi confirmada pela Polícia Militar e por amigos da família, ao portal MOSSORÓ HOJE nesta sexta-feira (11). A criança foi internada no Hospital Regional Dr. Cleodon Carlos de Andrade, onde passou por uma lavagem estomacal e passa bem.

O fato aconteceu na própria residência, na zona urbana do município. De acordo com o sargento Xavier, comandante da Polícia Militar de Marcelino Vieira, o garoto sempre teve o desejo criar um gato e, recentemente, tinha ganhado o bichano da família.

Na tarde desta quinta, o garoto foi flagrado pela própria mãe comendo o filhote. Nas suas mãos estava a cabeça do animal, e a boca suja de sangue evidenciava que ele já tinha ingerido o corpo.

Rapidamente, a criança foi levada ao hospital. Antes de receber atendimento, ele chegou a vomitar. Durante a noite, os médicos realizaram uma lavagem estomacal e receitaram diversas vacinas, para evitar problemas de saúde futuros.

A criança segue internada na unidade.

Uma pessoa próxima à família, que preferiu não ter seu nome divulgado, revelou ao MOSSORÓ HOJE que a mesma criança já passou por um caso semelhante. Há um tempo atrás, ela comeu a cabeça de um pinto pequeno.

O motivo apontado por esta fonte é que o garoto é especial, mas a família não admite essa condição. “Tratam ele como se fosse uma criança normal, mas não é assim. Ele precisa de tratamento especializado”, concluiu a fonte ouvida pelo MOSSORÓ HOJE.

Notas

Tekton

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário