27 MAI 2022 | ATUALIZADO 23:55
SAÚDE
Do G1
26/04/2015 07:37
Atualizado
12/12/2018 03:58

Novo terremoto no Nepal e o número de mortes do primeiro já passa de 2 mil

A+   A-  
O Serviço Geológico dos EUA disse que o tremor foi de magnitude 6,7, inferior ao terremoto de sábado (25), matando pelo menos 2.200 pessoas, segundo a agência de notícias Associated Press

Um forte terremoto atingiu a Índia e Nepal neste domingo (26) balançando edifícios em Nova Delhi e provocando uma avalanche no Himalaia, de acordo com a agência Reuters.
              
O Serviço Geológico dos Estados Unidos disse que o tremor foi de magnitude 6,7, inferior ao terremoto que atingiu a região no sábado (25), matando pelo menos 2.200 pessoas, segundo a agência de notícias Associated Press.

Em Katmandu, a capital, as pessoas passaram a noite ao relento ou em barracas. O Jornal El País destaca: "Os hospitais estão destruídos. Precisamos de ajuda", alerta Nepal.

Já o The Guardian, mostra um país devastado e embarque de ajuda humanitária. Já o Jornal O Globo destaca o novo tremor no Nepal e as avalanches no Himalaia.

O site da BBC, de Londres, destaca videos, fotos e cita os esforços para resgatar centenas de desaparecidos.

O tremor secundário, que ocorreu a 10 km de profundidade, também foi sentido no Everest, onde provocou novas avalanches.

Sábado
No sábado (25), um forte terremoto de magnitude 7,8 estremeceu o Nepal, deixando mais de 2.200 mortos e milhares de feridos. O terremoto foi o pior a atingir o país em 80 anos.

O porta-voz da polícia nacional, Kamal Singh Ban, disse que só no país, o número de mortos chegava a 2.152 pessoas, enquanto 4.629 teriam ficado feridas. Um balanço anterior informava sobre 1.953 mortos, segundo a agência de notícias France Press.

A força do terremoto foi sentida também em Bangladesh, Índia, China, Paquistão e no Monte Everest, onde uma avalanche provocada pelo abalo deixou pelo menos 17 mortos. Na Índia, as autoridades estimam em 57 o total de mortos, contra um balanço anterior de 53.

O tremor ocorreu às 3h11 (de Brasília), a 77 km ao noroeste de Katmandu e a 15 km de profundidade. Outras quatro réplicas menores atingiram o país logo após o terremoto mais potente.

"Há relatos de danos generalizados. A devastação não está confinada a algumas áreas do Nepal. Quase todo o país foi atingido", disse Krishna Prasad Dhakal, vice-chefe da missão na embaixada do Nepal, em Nova Déli.

Testemunhas disseram às agências de notícias que o terremoto durou entre 30 segundos e dois minutos. Milhares de pessoas deixaram seus lares e estão nas ruas da capital, Katmandu, com receio de que casas e prédios desmoronem.

As equipes de resgate continuavam as buscas por sobreviventes no domingo, uma tarefa complicada pelos fortes tremores secundários e pelo difícil acesso às zonas afetadas.

Ajuda

As comunicações, a eletricidade e a água corrente foram cortados, informou a ONG Oxfam, que "se prepara para fornecer água potável e artigos de primeira necessidade", segundo a sua diretora no Nepal, Cecilia Keizer.

Os hospitais do país de 28 milhões de habitantes tentam dar conta dos feridos, enquanto a busca por sobreviventes é complicada devido à falta de equipamentos para escavar. As imagens mostram cidadãos tentando retirar escombros com as próprias mãos.

Destruição
A cidade de Katmandu foi a que mais sofreu. Há registros de danos em edificios e casas, especialmente nas construções mais antigas, e também em templos e monumentos.

Erguida em 1832 na capital do Nepal, a torre histórica de Dharara, uma das atrações turísticas da capital do país, não resistiu ao tremor e foi totalmente destruída.

Cerca de dezessete corpos foram retirados das ruínas, segundo um fotógrafo da agência France Press (AFP).

É a segunda vez que a torre vai ao chão por causa de um terremoto – a primeira foi em 1934, quando um abalo de magnitude 8,1 provocou a morte de 10.700 pessoas no leste do país e na província indiana de Bihar.

Notas

Tekton

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário