13 ABR 2024 | ATUALIZADO 13:43
Retratos do Oeste
09/03/2015 20:45
Atualizado
13/12/2018 19:33

Como o RN perdeu R$ 337 milhões em investimento em saneamento

A+   A-  
Gestores públicos erram no planejamento, na execução e na fiscalização das obras, que por atrasar, ficam mais caras
Imagem 1 -  Como o RN perdeu R$ 337 milhões em investimento em saneamento

O Tribunal de Contas do Rio Grande do Norte faz um apontamento muito grave, aliás, gravíssimo. Pior para as cidades do Rio Grande do Norte e seu povo não pode ser.

Destaco: O TCE aponta que um plano de saneamento básico custa em média R$ 150 mil para ser feito e que por deficiência no planejamento, execução e fiscalização, a obra não é feita.

E esta obra é nada mesmo do que o saneamento básico. O caso é tão grave que no período de 2008 a 2011, o governo federal destinou um valor de R$ 558,4 milhões para o RN.

A meta era elevar as áreas saneadas de 19,16% para no mínimo 50%. Ocorre que incrivelmente não passou de 23%. Ao invés de cair de pau para concluir a obra, vem o mimo.

Incrivelmente o governo faz o contrário. Empurra mais, mais e mais. Para se ter uma idéia, o TCE aponta o caso de Angicos, no RN. O saneamento estava orçado em R$ 2.662.094,94.

Como não foi feito, agora só com R$ 5.576.592,12. Ou seja, dobrou de valor em função da incompetência, irresponsabilidade com os recursos públicos e com a vida das pessoas.

Diante de tamanho descaso, o RN deixou de investir R$337 milhões no período de 2008 a 2011. Quando o TCE avaliar o período 2012 2015, perceberá situação ainda mais grave.

Será que estão deixando atrasar as obras para pegar mais dinheiro e assim ganhar mais milhões dos cofres públicos? A PF deveria tirar esta história a limpo!

O TCE determinou que o governo do Estado, através da CAERN, SEMARH, Controlaria Geral e Gabinete Civil, sanasse os problemas em 60 dias.

Isto mesmo, o governo Vilma de Faria fez a desgraça, o governo Rosalba Ciarlini jogou a pá da cal e o governo Robinson Faria tem 60 dias para sanar os problemas.

360 graus

O fotógrafo das alturas do Retrato do Oeste foi a cidade de Assu. Quando estava lá em cima, segundo ele, o tempo fechou. Caba corajoso. O risco de um raio transforma-lo em torrão era muito grande e mesmo assim ele está sempre nas alturas, fotografando.

Notas

Tekton

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário