17 JUN 2024 | ATUALIZADO 17:27
MOSSORÓ
23/03/2020 08:34
Atualizado
23/03/2020 08:35

Pressionada, prefeita decreta calamidade e suspende MCJ

A+   A-  
O decreto de calamidade será publicado no JOM desta segunda-feira (23). Dentre as medidas está a paralisação do funcionamento de feiras com grande movimentação pública e o cancelamento, pelo período de 90 dias, de todos os eventos esportivos e artístico-culturais, que incluem o São João de Mossoró.
Imagem 1 -
FOTO: REPRODUÇÃO

Pressionada para que tomasse uma atitude para conter o avanço do coronavírus em Mossoró, a prefeita Rosalba Ciarlini decidiu decretar calamidade pública na cidade. O decreto será publicado na edição desta segunda-feira (23), do Jornal Oficial do Mossoró (JOM).

Dentre as medidas está o cancelamento do Mossoró Cidade Junina, maior evento festivo da cidade e que vinha sendo motivo de muitos questionamentos da população sobre o porquê de a prefeita ainda não ter anunciado seu cancelamento.

Outro ponto do decreto será a paralisação do funcionamento de feiras com grande movimentação pública e o cancelamento, pelo período de 90 dias, de todos os eventos esportivos e artístico-culturais, que incluem o São João de Mossoró.

A secretária de Cultura Isaura Amélia disse ficou determinado que “alguns dos núcleos de programação do Mossoró Cidade Junina deverão ser incluídos em outras atividades culturais ao longo do ano, quando superarmos este momento”.

De acordo com a prefeitura, algumas ações que constam no decreto já vêm sendo realizadas, tais como: suspensão das aulas na rede municipal de ensino, implantação de barreiras sanitárias em pontos estratégicos, liberação do expediente para servidores idosos, gestantes e com doenças crônicas, ampliação da validade da carteira de estacionamento do idoso e pessoa com deficiência, suspensão de eventos com aglomeração e intensificação da fiscalização da vigilância sanitária em estabelecimentos com reunião de pessoas.

O primeiro caso de Covid-19 em Mossoró foi confirmado pela Sesap na noite do sábado (21). Trata-se do obstetra Inavan Lopes da Silveira, de 55 anos, que teria tido contado com possível paciente infectado, visto que não realizou viagens nos 60 dias anteriores aos sintomas.

O médico, inclusive, emitiu uma nota falando sobre o assunto.

VEJA A NOTA AQUI.


Notas

Relativa

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário