02 JUN 2020 | ATUALIZADO 11:11
MOSSORÓ
COM INFORMAÇÕES DA FOLHA DE SÃO PAULO
31/03/2020 16:25
Atualizado
31/03/2020 17:53

Professor morto pelo coronavírus em Mossoró é lembrado com carinho

A+   A-  
A ex-colega, Kelania Mesquita, conta em entrevista à Folha de São Paulo que o professor Luiz Di Souza inventava uma bolsa de estudos para ajudar alunos carentes do curso de química e tirava o valor do próprio bolso, muitas vezes, secretamente. “Era um profissional competente e exigente, ao mesmo tempo que era colhedor”, diz.
Imagem 1 -  Professor Luiz com os Fanáticos de Química, grupo teatral coordenado por ele, por meio do qual os alunos ensinavam química a crianças de forma lúdica.
Professor Luiz com os Fanáticos de Química, grupo teatral coordenado por ele, por meio do qual os alunos ensinavam química a crianças de forma lúdica.
FOTO: REPRODUÇÃO

Em depoimento para o Jornal Folha de São Paulo, amigos e familiares de Luiz Di Souza, primeira vítima fatal do coronavírus no Rio Grande do Norte, lembram dele com carinho.

Luiz era professor de química da Universidade do Estado do RN (UERN). Ele morreu no sábado (28), devido a complicações causadas pela doença.

Veja mais:

Professor da UERN é a primeira vítima fatal do coronavírus no RN


Para os amigos de departamento e ex-alunos, o professor era um homem inteligente, “cientista nato” e bondoso, que muitas vezes chegou a pagar do próprio bolso cursos e eventos para que seus alunos pudessem participar.

A ex-colega, Kelania Mesquita, conta que o professor Luiz Di Souza inventava uma bolsa de estudos para ajudar alunos carentes do curso de química. O valor da bolsa era pago por ele mesmo, muitas vezes, secretamente.

“Ele era um profissional competente e exigente, ao mesmo tempo que era colhedor”, disse Kelania.

Já a ex-aluna Ronale Azevedo disse que Luiz foi se tornando um pai para todos os alunos, sempre disponível em seu laboratório para auxiliar os alunos na disciplina dele, bem como na dos outros.

Luiz lecionou na UERN por 20 anos. Ele era alagoano, tinha 61 anos e deixa a mulher Margareth, a filha de 19 anos, Maria Paula, o filho Kassyo e uma neta.

Após a morte do professor, a Universidade decretou luto oficial, com hasteamento de bandeira a meio mastro.


Notas

Compra Notebook

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário