13 ABR 2021 | ATUALIZADO 18:12
ESTADO
ANNA PAULA BRITO
05/03/2021 15:14
Atualizado
06/03/2021 11:22

RN terá toque de recolher das 20h às 6h até o sábado; No domingo a restrição será integral

A+   A-  
Segundo informou a governadora Fátima Bezerra, durante entrevista coletiva realizada no início da tarde desta sexta-feira (5), o novo horário passará a vigorar já a partir de amanhã (6). Durante a vigência do toque de recolher, as saídas só serão permitidas para a realização de serviços essenciais. A medida adotada visa diminuir o número de pessoas circulando nas ruas. CONFIRA DECRETO NA íntegra.
Imagem 1 -  Segundo informou a governadora Fátima Bezerra, durante entrevista coletiva realizada no início da tarde desta sexta-feira (5), o novo horário passará a vigorar já a partir de amanhã (6). Durante a vigência do toque de recolher, as saídas só serão permitidas para a realização de serviços essenciais. A medida adotada visa diminuir o número de pessoas circulando nas ruas. CONFIRA DECRETO NA íntegra.
Segundo informou a governadora Fátima Bezerra, durante entrevista coletiva realizada no início da tarde desta sexta-feira (5), o novo horário passará a vigorar já a partir de amanhã (6). Durante a vigência do toque de recolher, as saídas só serão permitidas para a realização de serviços essenciais. A medida adotada visa diminuir o número de pessoas circulando nas ruas. CONFIRA DECRETO NA íntegra.
FOTO: REPRODUÇÃO

Em entrevista coletiva realizada nesta sexta-feira (5), a governadora Fátima Bezerra falou sobre as novas medidas que serão adotadas no Rio Grande do Norte para conter o avanço da Covid-19.

Confira o DECRETO.

A principal delas é com relação ao toque de recolher, que passará a vigorar das 20h às 6h, de segunda a sábado. A medida já vale a partir de amanhã (6). Ainda segundo a governadora, nos domingos, a restrição de circulação será em período integral.

Durante o período de vigência do toque de recolher, a circulação de pessoas nas ruas só será permitida para a realização de serviços essenciais. A medida adotada visa diminuir o número de pessoas circulando nas ruas, evitando aglomerações, principal meio de transmissão da doença.

O novo decreto deve ser publicado em  edição extraordinária do Diário Oficial do Estado (DOE) nesta sexta-feira. No atual decreto em vigor, o toque de recolher acontece das 22h às 5h, com exigência de fechamento de bares e restaurantes a partir deste horário.

“O RN vive um pré-colapso no seu sistema. Todos os esforços estão sendo feitos para abertura de novos leitos, mas esse trabalho não está sendo o bastante para conter a propagação do vírus. Não vou iludir a população do Rio Grande do Norte afirmando que basta abrir leitos. É imperativo que a gente adote o isolamento social”, recomendou a chefe do Executivo estadual. 

A decisão por ampliar o horário de duração das restrições aconteceu após reunião online, realizada no dia 02 de março, com o comitê de especialistas da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap).

De acordo com o Governo, as medidas apresentadas pelo grupo são frutos de uma “avaliação criteriosa de reavaliação dos riscos epidemiológicos e da alta taxa de ocupação dos leitos críticos em todo o estado do Rio grande do Norte, levando em consideração o aumento do número de internações e circulação de novas variantes do SARS-CoV2 no estado”.

A análise do Comitê leva em conta a tendência da epidemia da Covid-19 no estado, medida pelo indicador composto e a análise dos dados assistenciais do Regula RN, que mede a taxa de ocupação de leitos críticos e clínicos em tempo real.

A Região Metropolitana atingiu um platô no número de casos que se mantém alto por um período prolongado e há um indicativo de aumento de número de casos para os próximos dias.

O comitê ainda lista uma série de medidas preventivas que devem ser tomadas, tomadas pelo governo e também pela população, a fim de evitar o agravamento da doença, por um período de 21 dias.

Lembra, também, que “as únicas medidas efetivas de prevenção e controle, até que se consiga uma cobertura vacinal adequada, são as medidas não farmacológicas, pois não há medicamento com comprovação científica para uso no controle/prevenção do SARS-CoV2”.

Notas

Posto JP Fevereiro de 2021

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário