13 ABR 2021 | ATUALIZADO 12:18
POLÍTICA
COM INFORMAÇÕES DA FOLHA DE SÃO PAULO
01/04/2021 09:40
Atualizado
01/04/2021 09:52

Conheça os perfis dos novos comandantes das Forças Armadas escolhidos por Bolsonaro

A+   A-  
Os nomes foram anunciados nesta quarta-feira (31). Para o Exército, foi escolhido o general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira. Para a Marinha, o almirante Almir Garnier, próximo da gestão anterior na Defesa, mas visto como bolsonarista moderado. Na Força Aérea, o brigadeiro Carlos Almeida Baptista Jr., próximo do bolsonarismo. A troca nos comandos acontece durante a maior crise militar do país desde a redemocratização.
Imagem 1 -
FOTO: REPRODUÇÃO

Os novos comandantes das Forças Armadas, anunciados nesta quarta-feira (31), têm, além do perfil que obedece aos critérios de antiguidade, caros aos militares, o fato de já terem exercido postos-chave em gestões passadas.

Para o Exército, foi escolhido o general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira. Para a Marinha, o almirante Almir Garnier, próximo da gestão anterior na Defesa, mas visto como bolsonarista moderado. Na Força Aérea, o brigadeiro Carlos Almeida Baptista Jr., próximo do bolsonarismo.

Ao anunciar os novos nomes, o novo ministro da Defesa, Walter Braga Netto, afirmou que o maior patrimônio do país são “a garantia da democracia e a liberdade do seu povo”.

Ele disse que fazia um reforço dessa constatação “nesse dia histórico”, sem dizer a que se referia. O general, em seu primeiro ato à frente do cargo, elaborou uma ordem do dia, para ser lida nos quartéis, em que diz que o golpe militar de 1964 faz parte da “trajetória histórica” do Brasil e que os acontecimentos de 31 de março daquele ano devem ser “compreendidos e celebrados”.

Os três novos comandantes estiveram presentes no anúncio, que durou menos de três minutos. Nem o ministro nem os novos comandantes se dispuseram a responder a perguntas da imprensa.

O combate à Covid-19 é o principal desafio que o país enfrenta, segundo ele, e as Forças têm ajudado no combate à pandemia, afirmou.

“Os militares não faltaram no passado e não faltarão sempre que o país precisar. As Forças são fiéis às suas missões constitucionais, de defender a pátria, garantir os poderes constitucionais e as liberdades democráticas”, disse o ministro.

VEJA O PERFIL DE CADA UM DELES.

EXÉRCITO

O novo comandante do Exército, general Paulo Sérgio de Oliveira, é descrito por colegas de farda como um militar com personalidade mais próxima de Eduardo Villas Bôas do que de Edson Leal Pujol, seus dois antecessores no cargo.

Villas Bôas é bolsonarista, teve posturas políticas a favor do presidente durante seu comando e ganhou um cargo no Palácio do Planalto já a partir de janeiro de 2019. Pujol foi demitido por Jair Bolsonaro, numa crise militar sem precedentes.

Oliveira chegou ao cargo de comandante sendo o terceiro mais longevo na carreira, dentre os generais quatro estrelas que seguem na ativa. Entre os militares, esse critério de antiguidade é aceitável e não representa uma quebra de hierarquia.

O general exercia até então o cargo de chefe do Departamento de Pessoal do Exército, função em que esteve por dois anos.

O novo comandante é de tratamento fácil, expansivo e mantinha boas relações tanto com Villas Bôas e seu grupo quanto com Pujol, segundo seus colegas de farda.

Assim que foi promovido a general quatro estrelas, a mais alta patente, foi enviado a Belém, para ser comandante militar do Norte. Ele já foi adido no México e também atuou na Diretoria de Promoções do Exército.

Oliveira é cearense e tem 59 anos de idade. É da turma de 1980 da Aman (Academia Militar das Agulhas Negras).

MARINHA

O almirante de esquadra Almir Garnier Santos, de 60 anos, novo comandante da Marinha, nasceu em Cascadura, no Rio de Janeiro. É o segundo mais antigo da Força.

Ingressou na Escola Naval em 1978 e se formou três anos depois. Por dez anos, serviu a bordo de navios da esquadra brasileira. Chegou ao topo da hierarquia na Marinha em novembro de 2018.

Garnier foi secretário-geral na pasta da Defesa durante a gestão de Fernando Azevedo e Silva, demitido pelo presidente Jair Bolsonaro nesta segunda-feira (29).

O novo comandante também assessorou os ex-ministros Celso Amorim, Jaques Wagner e Aldo Rebelo, durante o governo da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), e Raul Jungmann, na administração do ex-presidente Michel Temer (MDB).

Ele tem mestrado em Naval Postgraduate School, nos Estados Unidos, e já foi diretor da Escola de Guerra Naval da Aeronáutica.

A mulher de Garnier, Selma Foligne Crespio de Pinho, aposentada da Marinha, ocupa cargo comissionado desde 2019 na Secretaria Geral da Presidência. É diretora de Estratégia Padronização e Monitoramento de Projetos.

Um filho de Garnier, o advogado Almir Garnier Santos Junior, segundo noticiou o UOL no ano passado, foi contratado em julho de 2019 para cargo de livre provimento na Emgepron (Empresa Gerencial de Projetos Navais), estatal vinculada à Marinha.

AERONÁUTICA

Indicado de Jair Bolsonaro para comandar a Força Aérea Brasileira (FAB), Carlos Almeida Baptista Junior ingressou no órgão em 1975 e tornou-se tenente-brigadeiro, posto mais alto corporação, em março de 2018.

Ele assume o cargo que já foi do seu pai, Carlos de Almeida Baptista, que foi comandante da Aeronáutica de 1999 a 2003, no governo de Fernando Henrique Cardoso, do PSDB.

Baptista Junior já exerceu diversas funções na FAB e era, até esta semana, comandante do Comando-Geral de Apoio, divisão responsável pela logística da corporação.

Também já ocupou a vice-chefia do Estado-Maior da Aeronáutica e chefe de operações do Estado-Maior das Forças Armadas.

Piloto de caça, tem 4 mil horas de voo, sendo 2,2 mil em aeronaves de caça.

Pai e filho ficaram na primeira colocação no Curso de Aperfeiçoamento de Oficiais—um no ano de 1965, o outro em 1991.


Notas

Posto JP Fevereiro de 2021

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário