26 SET 2021 | ATUALIZADO 13:50
SAÚDE
22/07/2021 15:23
Atualizado
22/07/2021 15:23

Arboviroses: média geral de Mossoró no Levantamento de Infestação Predial cai para 3,7%

A+   A-  
O município saiu de uma situação de alto risco com índice de 4,1%, para médio risco com 3,7% na infestação. Atualmente, Mossoró atingiu o percentual de 84% dos imóveis visitados pelas equipes atuantes no controle, combate e prevenção ao mosquito Aedes Aegypti. Ainda segundo o levantamento, os bairros onde há maior incidência do mosquito são Dix-sept Rosado, Pintos e Paredões.
Imagem 1 -
FOTO: REPRODUÇÃO

O combate às arboviroses tem sido desenvolvido em Mossoró com a obtenção neste semestre de mais um avanço, em relação ao ciclo passado. Isso porque o município atingiu o percentual de 84% dos imóveis visitados pelas equipes atuantes no controle, combate e prevenção ao mosquito Aedes Aegypti.

De acordo com o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), o número coloca o município dentro da meta preconizada pelo Ministério da Saúde. Como consequência dessa atuação, a média geral de Mossoró caiu de 4,1 no Levantamento de Infestação Predial (Liraa) anterior, para 3,7 no mais recente Liraa divulgado.

"Saímos de uma situação de alto risco com índice de 4,1%, para médio risco com 3,7% na infestação. Isso não é suficiente para a gente relaxar no combate à Dengue, Zica e Chicungunya", disse João Paulo, diretor administrativo do CCZ.

A situação, de acordo com o levantamento, é mais preocupante nos bairros Dix-sept Rosado, Pintos e Paredões.

"Diante dessa situação, iniciamos uma atuação mais incisiva nesses bairros. O reforço no trabalho das nossas equipes visa impedir que ocorra o crescimento da infestação pelo mosquito transmissor da Dengue, Chikungunya e Zica", disse João Paulo.

Atualmente, as equipes visitam imóveis situados nos bairros: Planalto 13 de Maio, Rincão, Paredões, Santo Antônio, Alto da Conceição, Bom Jardim e Aeroporto. A expectativa é atingir o bairro Barrocas ainda nesta semana.

Vale lembrar que o ciclo do mosquito, ou seja, a sua vida desde larva até mosquito, ocorre entre 7 a 10 dias. A população pode e deve contribuir evitando manter em casa artefatos que acumulem água parada, cobrindo caixas d'água e inspecionando os quintais.


Notas

Posto JP - Maio de 2021

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário