20 MAI 2024 | ATUALIZADO 19:35
POLÍTICA
COM INFORMAÇÕES DO BLOG DO SAULO VALE
06/07/2023 15:34
Atualizado
06/07/2023 18:18

Juiz nega pedido do MPF para afastar reitora da Ufersa e dá 15 dias para ela responder acusações

A+   A-  
O MPF pediu o afastamento imediato e cautelar de Ludimilla Carvalho e a acusou de abuso de poder e intimidação, além de possível ato de improbidade administrativa e enriquecimento ilícito. O juiz Fabrício Ponte de Araújo, da 8ª Vara Federal do Rio Grande do Norte, no entanto, disse que “a princípio não é visível silenciamento dos envolvidos ou ocultamento de documentos” e que “não há indícios de que o andamento dos atos necessários ao bom funcionamento da Instituição Federal de Ensino está em risco, o que justificaria o imediato afastamento da reitora em benefício do interesse público envolvido”.
Imagem 1 -  Juiz nega pedido do MPF para afastar reitora da Ufersa e dá 15 dia para ela responder acusações. O MPF pediu o afastamento imediato e cautelar de Ludimilla Carvalho e a acusou de abuso de poder e intimidação, além de possível ato de improbidade administrativa e enriquecimento ilícito. O juiz Fabrício Ponte de Araújo, da 8ª Vara Federal do Rio Grande do Norte, no entanto, disse que “a princípio não é visível silenciamento dos envolvidos ou ocultamento de documentos” e que “não há indícios de que o andamento dos atos necessários ao bom funcionamento da Instituição Federal de Ensino está em risco, o que justificaria o imediato afastamento da reitora em benefício do interesse público envolvido”.
Juiz nega pedido do MPF para afastar reitora da Ufersa e dá 15 dia para ela responder acusações. O MPF pediu o afastamento imediato e cautelar de Ludimilla Carvalho e a acusou de abuso de poder e intimidação, além de possível ato de improbidade administrativa e enriquecimento ilícito. O juiz Fabrício Ponte de Araújo, da 8ª Vara Federal do Rio Grande do Norte, no entanto, disse que “a princípio não é visível silenciamento dos envolvidos ou ocultamento de documentos” e que “não há indícios de que o andamento dos atos necessários ao bom funcionamento da Instituição Federal de Ensino está em risco, o que justificaria o imediato afastamento da reitora em benefício do interesse público envolvido”.
FOTO: REPRODUÇÃO

O juiz Fabrício Ponte de Araújo, da 8ª Vara Federal do Rio Grande do Norte, negou o pedido do Ministério Público Federal, feito através do procurador Emanuel de Melo Ferreira, e manteve a professora Ludimilla Serafim Carvalho de Oliveira à frente da Reitora da Universidade Federal Rural do Semiárido (Ufersa).

O procurador pediu o afastamento imediato e cautelar de Ludimilla e a acusou de abuso de poder e intimidação, além de possível ato de improbidade administrativa e enriquecimento ilícito.

Disse que o seu afastamento era necessário para “assegurar a obtenção de provas que possam demonstrar a prática de ato improbo de enriquecimento ilícito”.

O magistrado rebateu e pontuou que “a princípio não é visível silenciamento dos envolvidos ou ocultamento de documentos” e que “não há indícios de que o andamento dos atos necessários ao bom funcionamento da Instituição Federal de Ensino está em risco, o que justificaria o imediato afastamento da reitora em benefício do interesse público envolvido”.

Sobre a última reunião do Conselho Universitário (Consuni), em que o processo de destituição foi iniciado, o magistrado disse que “ocorreu dentro da formalidade e dos trâmites legais, não se evidenciando, em primeira análise, intimidação por parte dos membros do Consuni, mas sim voz ativa dos que participaram”.

O magistrado determinou ainda que Ludimilla se manifeste no prazo de 15 dias sobre as acusações do MPF para “maior profundidade”.

Entenda

Ludimilla enfrenta um processo de destituição, iniciado pelo Consuni, após ter seu título de doutorado anulado pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), que verificou plágio em 44% de sua tese, conforme denúncia.

O Consuni, onde ela tem minoria, já formou um grupo para dar um parecer, até o final deste mês sobre como a Ufersa deve proceder nesse caso.

Com o parecer em mãos, o Consuni decide se encaminha ou não a destituição da reitora ao Ministério da Educação.

Se sim, a palavra final cabe ao ministro Camilo Santana. Caso aceite, Santana deve nomear interinamente o professor doutor mais antigo da Ufersa, que deve convocar novas eleições.

Ludimilla entrou com recurso no Tribunal Regional Federal da 5ª Região, com sede em Recife, para tentar retomar seu título, após a primeira instância, na JFRN, ter lhe negado.


Notas

Tekton

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário