28 MAI 2024 | ATUALIZADO 09:58
POLÍCIA
COM INFORMAÇÕES DA TRIBUNA DO NORTE
11/04/2024 12:20
Atualizado
11/04/2024 12:14

JFRN determina soltura de 5 suspeitos de colaborarem na fuga de Tatu e Martelo

A+   A-  
A justiça também suspendeu dois mandados de prisão de pessoas que estavam foragidas. A informação foi divulgada pela Tribuna do Norte. O processo está transcorrendo em segredo de Justiça. Dos cinco presos, três estavam custodiados no Ceará e dois no Rio Grande do Norte.
Imagem 1 -  JFRN determina soltura de 5 suspeitos de colaborarem na fuga de Tatu e Martelo. A justiça também suspendeu dois mandados de prisão de pessoas que estavam foragidas. A informação foi divulgada pela Tribuna do Norte. O processo está transcorrendo em segredo de Justiça. Dos cinco presos, três estavam custodiados no Ceará e dois no Rio Grande do Norte.
JFRN determina soltura de 5 suspeitos de colaborarem na fuga de Tatu e Martelo. A justiça também suspendeu dois mandados de prisão de pessoas que estavam foragidas. A informação foi divulgada pela Tribuna do Norte. O processo está transcorrendo em segredo de Justiça. Dos cinco presos, três estavam custodiados no Ceará e dois no Rio Grande do Norte.

A Justiça Federal no Rio Grande do Norte determinou a soltura de cinco pessoas que estavam presas preventivamente por suspeita de colaboração nas fugas de Deibson Cabral (Martelo) e Rogério Mendonça (Tatu).

A decisão ocorreu nesta quinta-feira (11) e, além das solturas, também houve a suspensão de dois mandados de prisão de pessoas que estavam foragidas.

O processo está transcorrendo em segredo de Justiça. Dos cinco presos, três estavam custodiados no Ceará e dois no Rio Grande do Norte.

As liberações, que foram determinadas pela 8ª Vara da Justiça Federal de Mossoró, ocorreram porque os elementos que justificavam a prisão preventiva não existem mais, já que os então fugitivos foram recapturados após 50 dias de buscas. Assim, não há mais o risco de que os suspeitos colaborem para a fuga de Tatu e Martelo.

Apesar da decisão, os suspeitos seguem sendo investigados e poderão ser condenados pela Justiça caso se comprove a colaboração.

Além das sete pessoas que foram beneficiadas com a decisão, outros sete já haviam sido presos durante as investigações e permanecem detidos, assim como os outros quatro homens que foram presos em flagrante auxiliando os fugitivos no Pará.


Notas

Tekton

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário