26 JUN 2022 | ATUALIZADO 12:59
ESTADO
DA REDAÇÃO
29/01/2019 18:06
Atualizado
29/01/2019 18:13

UFRN e Defesa Civil vão inspecionar cinco barragens com estruturas preocupantes no RN

A+   A-  
O acordo deverá ser formalizado em breve, por meio de convênio. A ideia é que os trabalhos nas barragens potiguares sejam iniciados no primeiro semestre deste ano. Embora as tratativas ainda não tenham sido oficializadas, o professor conta que o projeto deverá ter no mínimo dois anos de contrato
Imagem 1 -
Divulgação

Uma parceria entre a UFRN e a Defesa Civil do Estado possibilitará inspeções nas barragens do Rio Grande do Norte. Num primeiro momento, serão vistoriadas as cinco barragens que possuem danos estruturais considerados preocupantes pela Agência Nacional das Águas (ANA), segundo relatório divulgado em novembro do ano passado.Além disso, a barragem Passagem das Traíras, em Jardim do Seridó, tida como uma das mais vulneráveis no relatório, será visitada nesta terça-feira (29) pelo de secretário de Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos, João Maria Cavalcanti.

Segundo o professor Aderson Nascimento, coordenador do Laboratório Sismológico da UFRN (Labsis), a ideia é que a universidade possa auxiliar a defesa civil no tocante ao mapeamento e inspeção da situação estrutural das barragens.

“A ideia é você fazer, com esse tipo de tecnologia, além das vistorias visuais, que só se vê na superfície, ela permite margear nas paredes da barragem por exemplo. Você pode detectar fissuras, ver como está a saúde da estrutura civil dessa obra, então a ideia é que se tenha esse estudo num banco de dados que ele seja alimentado e sirva para ferramenta de gestão e os gestores vão decidir quais são as prioridades, o que precisa ser feito em cada área. Nosso caso aqui é assessoria técnica”, explica o professor.

O acordo deverá ser formalizado em breve, por meio de convênio. A ideia é que os trabalhos nas barragens potiguares sejam iniciados no primeiro semestre deste ano. Embora as tratativas ainda não tenham sido oficializadas, o professor conta que o projeto deverá ter no mínimo dois anos de contrato.

“A gente pretende fazer [o mapeamento] de todos os reservatórios, agora existem as prioridades. Contamos com equipamentos de sondagem de radares de solo, técnicas de sismologia e o próprio apoio do departamento de geologia também. Tudo isso de forma coordenada no sentido de dar assessoria técnica às ações da Defesa Civil”.

Reportagem do MOSSORÓ HOJE apontou que um levantamento apresentado pelo Programa de Monitoramento e Fiscalização da Secretaria de Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos, sobre a situação dos reservatórios do Estado apontam para uma situação preocupante.

 Quanto à questão estrutural dos reservatórios, ao menos cinco barragens do Estado estão em situação de vulnerabilidade, ou seja, apresentam danos em suas estruturas e preocupam os órgãos fiscalizadores.

As barragens em risco são a Passagem das Traíras, Calabouço e o Açude Gargalheiras (públicas); além das barragens Barbosa de Baixo e Riacho do Meio (privadas).

A Agência Nacional de Águas alertou que a barragem Passagem das Traíras, que fica em Jardim do Seridó, apresenta desagregação do concreto e descontinuidade no maciço rochoso na ombreira direita.

O reservatório está operando com restrição limitando a cota de operação em 185m, de acordo com a ANA. O valor estimado para o conserto é de R$ 1.170.000

O Açude Gargalheiras ou Marechal Dutra (nome oficial), em Acari, um dos mais populares do Rio Grande do Norte, tem fissuras ao longo da sua galeria e do maciço. Para a recuperação, o investimento necessário estimado pela Agência é de R$ 2.840.000.

Já a barragem Calabouço, esta na cidade de Passa e Fica, apresenta trincas ao longo do coroamento e não tem estrutura de descarga de fundo. O relatório apontou que a situação de manutenção é precária, contudo não estumou os custos para reparar os danos.

Com informações da Tribuna do Norte

Notas

Tekton

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário