24 SET 2020 | ATUALIZADO 18:36
NACIONAL
AGÊNCIA BRASIL
31/01/2019 18:03
Atualizado
31/01/2019 18:22

“Eu queria ao menos um sepultamento digno”, diz irmão de desaparecido; mortes chegam a 110

A+   A-  
Antônio Carlos Castro, supervisor de manutenção industrial, que trabalhava como terceirizado na Vale, busca o genro, casado com a filha, e pai de duas crianças de 6 e 2 anos
Imagem 1 -  Uma semana do rompimento da barragem de Brumadinho e as esperanças vão se esvaindo
Uma semana do rompimento da barragem de Brumadinho e as esperanças vão se esvaindo
Adriano Machado/Reuters

Às vésperas de completar uma semana do rompimento da barragem de Brumadinho, nos arredores de Belo Horizonte, moradores que buscam informações de desaparecidos ainda sofrem com a falta de dados. Eles dizem que, desde a tragédia, a rotina é a mesma: ir diariamente à Central de Informações para verificar possíveis atualizações. Mas à medida que o tempo passa, a esperança diminui.

Antônio Carlos Castro, supervisor de manutenção industrial, que trabalhava como terceirizado na Vale, busca o genro, casado com a filha, e pai de duas crianças de 6 e 2 anos.

“Tenho pouca esperança agora”, disse Castro, sem esconder o desânimo. “Ele era mais do que um genro, era um filho”, completou. “É duro. O cara formar, ter família, e ficar no além.”

De acordo com Castro, a possibilidade de ocorrer um acidente jamais passou pela cabeça de um funcionário seja terceirizado ou da própria Vale. Segundo ele, a empresa era muito severa nos itens de segurança, como luvas, máscaras e calçados. “Ninguém imaginava isso por causa do regime da Vale que é de muita segurança.”


BaSepultamento digno

A exemplo de Castro, Adir Fernandes Ribas, técnico terceirizado da Vale, procura informações sobre o irmão, que estava trabalhando no momento do acidente. Ele disse que vai todos os dias em busca de informações, já coletou material de DNA, entregou objetos pessoais do irmão para a equipe responsável e foi até o Instituto Médico-Legal (IML).

“Eu queria ao menos o corpo dele para fazer um sepultamento digno. É isso que eu quero”, desabafou. “É só angústia, tem dias que recebo 200, 300 ligações de amigos, mas até agora nada”, acrescentou. “É muita tristeza”, disse.

Castro e Ribas foram hoje ao posto de cadastro montado pela Vale para inscrição de famílias atingidas pela tragédia. Cada família receberá da empresa o valor de R$ 100 mil por pessoa desaparecida ou morta.

Balanço

O número de mortos após o rompimento de uma barragem em Brumadinho na última sexta-feira chegou a 110, segundo informou o Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil de Minas Gerais nesta quinta, 31. Dentre os corpos resgatados, 71 foram identificados. A tragédia deixou ainda 238 desaparecidos e 108 desabrigados e desalojados. 

Notas

AME

Outras Notícias

Deixe seu comentário