12 AGO 2020 | ATUALIZADO 22:24
POLÍCIA
23/07/2020 18:41
Atualizado
23/07/2020 18:45

Suspeito de integrar facção de “Nem da Abolição” é preso em João Pessoa

A+   A-  
Valmir Mendes de Farias “Borracha”, de 30 anos, estava foragido da justiça do Rio Grande do Norte. Ele é investigado por uma série de crimes, dentre eles de praticar roubos a bancos, comercializar fuzis, munições, coletes, pela forte atuação no tráfico de drogas interestadual, clonagem de veículos, associação para o tráfico de drogas e armas, além da lavagem de dinheiro.
Imagem 1 -
FOTO: ARQUIVO

Em um trabalho conjunto, as polícias civis do Rio Grande do Norte e da Paraíba prenderam Valmir Mendes de Farias, mais conhecido como “Borracha”, 30 anos.

Ele estava foragido do Sistema Penitenciário Estadual e era investigado pela suspeita da prática do crime de tráfico drogas, tendo como seus chefes os traficantes “Nem da Abolição” e “Fernanda Belarmino”, ambos presos.

Valmir Mendes “Borracha” também é suspeito de praticar roubos a banco, de integrar uma das maiores organizações criminosas no Estado do Rio Grande do Norte, atuando também no tráfico internacional de drogas.

No momento da abordagem policial, "Borracha" estava em uma residência de luxo, situada no bairro Colinas do Sul, no município de João Pessoa (PB). Com ele, foram apreendidos um veículo modelo “Ônix” e a quantia de R$ 7 mil em dinheiro fracionado.

“Borracha” também é suspeito de integrar organização criminosa que tinha como plano a explosão de um estabelecimento prisional da Paraíba; no RN, ele também é investigado pela mesma conduta criminosa: tentar explodir um presídio.

Durante as diligências, foi constatado que a proprietária da casa na qual ele estava, Ana Luíza de Araújo, é viúva de José Ivanilson Dias Gomes, que era mais conhecido por “Baixinho” e morreu em 2017, em um assalto a banco, no município de Moreno (PE).

Na época, “Baixinho” estava portando vários fuzis e era foragido da DEICOR; o “Borracha” era cunhado do “Baixinho”.

Valmir Mendes “Borracha”, já foi preso pela Polícia Civil do RN pela suspeita da prática dos crimes de receptação e adulteração de veículo roubado, mas estava foragido.

Na semana passada, a DEICOR tentou realizar a recaptura, mas o suspeito conseguiu fugir do cerco policial. Ainda de acordo com as investigações, ele é ligado ao mais alto nível da organização criminosa do Rio Grande do Norte, sendo considerado um homem de confiança dentro do grupo criminoso.

O suspeito é investigado ainda por comercializar fuzis, munições, coletes, pela forte atuação no tráfico de drogas interestadual, clonagem de veículos, associação para o tráfico de drogas e armas, além da lavagem de dinheiro.

As equipes da DEICOR recambiaram o preso para o Estado do Rio Grande do Norte, onde ele permanecerá à disposição da Justiça.


Notas

AME

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário