26 OUT 2020 | ATUALIZADO 23:16
POLÍCIA
CEZAR ALVES
13/10/2020 08:15
Atualizado
13/10/2020 08:18

Família ainda sem qualquer informação sobre Phelipe Eduardo em Mossoró

A+   A-  
Qualquer informação que possa levar ao destino do jovem Phelipe Eduardo, levado de casa na madrugada de sexta-feira da semana passada (9), deve ser repassada imediatamente para o 190 e ou para o número (84) 98801-7891.
Imagem 1 -
FOTO: REPRODUÇÃO/REDES SOCIAIS

A família de Phelipe Eduardo Oliveira Jesus, de 24 anos, está desesperada. Nesta terça-feira, 13, completa 5 dias que ele foi raptado de casa, no bairro Aeroporto I, em Mossoró-RN, e até o presente momento não se tem qualquer informação de onde ele esteja.

Veja mais sobre o rapto:

Família procura jovem levado de casa na madrugada de hoje, 9


Phelipe Eduardo estava dormindo na casa da avó, onde mora há muitos anos, quando desconhecidos teriam arrombado a porta da cozinha e o levado, deixando para trás o calção, celular e sandálias, o que indica que ele foi levado à força, quase sem roupas.

O tio de Phelipe Eduardo, o empresário José Hubener Martins de Oliveira Junior, gravou um vídeo muito abalado pedindo ajuda da população para encontrar o sobrinho. O vídeo foi publicado pela advogada Carolina Rosado, irmã de José Hubener.


Em contato com o MH, José Hubener disse que Phelipe Eduardo “é um garoto obediente, trabalhador... Estamos aflitos por informações”, diz.

O jovem não tem envolvimento com qualquer atividade ilícita. Antes da pandemia trabalhava com o tio montando som e durante a pandemia trabalhou na A&C. Atualmente estava comprando peças de roupas para montar uma loja online.

O registro do Boletim de Ocorrência foi feito após as 24 horas, conforme recomenda a Polícia Civil para casos de desaparecimento. A família foi informada de que o caso só começaria a ser investigado nesta terça-feira, 13, devido ao feriado do dia 12 de outubro.

A aflição da família e dos amigos é imensa. Eles não conseguem entender a razão para o rapto de Phelipe Eduardo, que não tem envolvimento e nem relações com quem não presta, e muito menos os motivos pelos quais se demora tanto para que se comece a investigar.


Notas

AME

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário