25 FEV 2024 | ATUALIZADO 11:05
MOSSORÓ
29/11/2023 15:08
Atualizado
29/11/2023 15:08

Levantamento aponta redução de 2,3% na incidência de Dengue em Mossoró

A+   A-  
O levantamento dos dados foi realizado de 20 a 24 de novembro e compõe o último índice do ano. A redução foi de 2,3%, oscilando, assim, para baixo na comparação com o levantamento anterior que apontava um índice de 2,4%. Anualmente, o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) realiza quatro levantamentos. A pesquisa direciona estratégias das equipes da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) no sentido de promoção de ações para prevenção e combate às arboviroses no município.
Imagem 1 -  O levantamento dos dados foi realizado de 20 a 24 de novembro e compõe o último índice do ano. A redução foi de 2,3%, oscilando, assim, para baixo na comparação com o levantamento anterior que apontava um índice de 2,4%. Anualmente, o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) realiza quatro levantamentos. A pesquisa direciona estratégias das equipes da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) no sentido de promoção de ações para prevenção e combate às arboviroses no município.
O levantamento dos dados foi realizado de 20 a 24 de novembro e compõe o último índice do ano. A redução foi de 2,3%, oscilando, assim, para baixo na comparação com o levantamento anterior que apontava um índice de 2,4%. Anualmente, o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) realiza quatro levantamentos. A pesquisa direciona estratégias das equipes da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) no sentido de promoção de ações para prevenção e combate às arboviroses no município.

Na quarta e última etapa anual do levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti (LIRAa) realizado no município e  desenvolvido pelo Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), o índice de Mossoró ficou em 2,3%, oscilando, assim, para baixo na comparação com o levantamento anterior que apontava um índice de 2,4%.

O levantamento dos dados foi realizado de 20 a 24 de novembro e compõe o último índice do ano. Anualmente, o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) realiza quatro levantamentos. A pesquisa direciona estratégias das equipes da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) no sentido de promoção de ações para prevenção e combate às arboviroses no município.

“Com o resultado do levantamento, nós traçamos estratégias de mapeamento. Os números são importantes para guiar nosso trabalho na cidade, sobretudo naqueles bairros que apresentaram índices mais elevados”, explicou o diretor do Centro de Controle de Zoonoses, Sandro Elias.

Conforme os dados, os bairros que registraram índices considerados de baixo risco são os seguintes: Belo Horizonte, Itapetinga, Nova Betânia, Alto da Conceição, Centro, Doze Anos, Redenção, Santa Júlia, Costa e Silva, Alto do Sumaré.

O trabalho de prevenção e combate ao mosquito transmissor de doenças como dengue, Zika e chikungunya é promovido ao longo de todo o ano no município pelos profissionais do CCZ. Atrelado a isso, é importante que a população colabore neste processo que exige cuidados rotineiramente.

“É bom salientar que a população deve se manter sempre vigilante com seus depósitos e recipientes cobertos e protegidos. Caso seja possível, lavar uma vez na semana esses locais. Adotando essa medida estará ajudando a combater o mosquito, uma vez que o ciclo de vida da fase ovo até adulto é entre 7 e 10 dias e com essa atitude da população quebra este ciclo”, frisou Sandro Elias.

Notas

Tekton

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário