13 ABR 2024 | ATUALIZADO 13:43
NACIONAL
Agencia Petrobras
30/03/2024 08:05
Atualizado
30/03/2024 08:08

Petrobras estima contratar 200 novas embarcações de 2024 a 2028

A+   A-  
Em sua Agência de Notícias, a Petrobras não faz referência onde serão usados estas 200 embarcações, mas cita a finalidade: renovar a frota e atender a demanda do plano estratégico de investimento da Companhia nos próximos anos. Neste caso, o plano estratégico da Petrobras, havendo acordo com o IBAMA, é explorar a Margem Equatorial e investir pesado na transição energética. E os investimentos na Margem Equatorial começaram pelo litoral do Rio Grande do Norte e Ceará, onde estão sendo perfurados poços exploratórios no Campo de Pitu.
Imagem 1 -  Em sua Agência de Notícias, a Petrobras não faz referência onde serão usados estas 200 embarcações, mas cita a finalidade: renovar a frota e atender a demanda do plano estratégico de investimento da Companhia nos próximos anos. Neste caso, o plano estratégico da Petrobras, havendo acordo com o IBAMA, é explorar a Margem Equatorial e investir pesado na transição energética. E os investimentos na Margem Equatorial começaram pelo litoral do Rio Grande do Norte e Ceará, onde estão sendo perfurados poços exploratórios no Campo de Pitu.
Em sua Agência de Notícias, a Petrobras não faz referência onde serão usados estas 200 embarcações, mas cita a finalidade: renovar a frota e atender a demanda do plano estratégico de investimento da Companhia nos próximos anos. Neste caso, o plano estratégico da Petrobras, havendo acordo com o IBAMA, é explorar a Margem Equatorial e investir pesado na transição energética. E os investimentos na Margem Equatorial começaram pelo litoral do Rio Grande do Norte e Ceará, onde estão sendo perfurados poços exploratórios no Campo de Pitu.
Agencia Petrobras

A Petrobras autorizou processos de contratação de embarcações de apoio para a logística de exploração e produção, com objetivo de atender a demanda de curto prazo para os anos de 2025 e 2026. Também aprovou a contratação de novos barcos de apoio para as demandas de longo prazo, cujas especificações técnicas terão foco em novas soluções tecnológicas de eficiência e redução de emissões de gases do efeito estufa (GEE). Essas oportunidades marcam o início de uma série de contratações para atender ao Plano Estratégico da companhia.

A companhia estima que contratará cerca de 200 embarcações de apoio no período 2024-2028, tanto para a substituição de contratos vigentes, quanto para o incremento da frota. Deste total, estima-se que haverá oportunidades de construção de até 38 novas embarcações, para atendimento de novas demandas e parte para renovar a frota com unidades mais modernas e mais sustentáveis.

Os processos de contratação serão divulgados nos próximos dias. Na primeira licitação que visa à construção de novos barcos, a previsão é contratar 12 embarcações de apoio do tipo PSV (Plataform Supply Vessel, Embarcação de Suprimento às Plataformas).

Também está prevista a contratação de navios de cabotagem, FPSOs, embarcações para execução de atividades submarinas e de poços, além da atividade de descomissionamento de plataformas.

“Estamos em contato permanente com o mercado fornecedor e estudando as melhores estratégias de contratação que permitam suprir a demanda da Petrobras, mantendo a competitividade dos processos. Estamos também comprometidos com o desenvolvimento do nosso mercado fornecedor local, promovendo iniciativas que possam criar oportunidades para a indústria nacional”, declarou Jean Paul Prates, presidente da Petrobras.

Os projetos que serão implementados pela Petrobras aquecerão a demanda da indústria offshore nacional. De acordo com o Plano Estratégico 2024-2028+ da companhia, o investimento em todas as suas atividades, de US$ 102 bilhões, vai gerar 280 mil empregos diretos e indiretos por ano.

Mais oportunidades

Está prevista, até 2028, 14 novos navios-plataformas, em diferentes etapas de construção, com oportunidades para a indústria offshore brasileira. Atualmente, a companhia conduz, considerando o cenário 2028+, seis processos de contratação de navios-plataforma do tipo FPSO (unidade flutuante de produção, armazenamento e transferência, da sigla em inglês). Quatro são relacionados a afretamento (aluguel) de plataformas e dois são para unidades próprias da Petrobras, com demandas para construção de módulos no Brasil, atividade alinhada com a vocação da indústria offshore nacional.

A Petrobras contará com uma frota de, aproximadamente, 25 navios-sonda em 2024, usados em atividades de pesquisa de petróleo. Até 2028, a companhia prevê que a sua frota chegue a 30 sondas.

Nas atividades submarinas, as novas contratações de embarcações para o período 2024-2027 já estão em fase avançada de negociação nos processos de contratação vigentes, além da avaliação de oportunidades de longo prazo para esse segmento.

Na atividade de cabotagem, ou seja, o transporte de carga feito por navios nos limites da costa brasileira, para a recomposição de frota, existem estudos para aquisição de novos navios além dos tradicionais processos competitivos de afretamento. A frota atual da Petrobras é de 26 navios, e estão sendo estudados mais dezesseis entre diversos tipos, com potencial para serem construídos no horizonte do plano 2024-2028.

Os navios-plataforma de produção encerram o seu ciclo produtivo por meio de uma atividade chamada descomissionamento, da qual faz parte a reciclagem sustentável de seus materiais. Essa atividade também gera demanda para a indústria nacional. Até 2028, a Petrobras prevê descomissionar 23 plataformas, sendo 9 fixas e 14 flutuantes.

A variedade de demandas da Petrobras abre muitas oportunidades para a indústria offshore brasileira. Neste sentido, a companhia vem apresentando sua carteira de projetos, desde o ano passado, em diversos fóruns de fornecedores, para que o mercado se prepare para as encomendas futuras.


Nota do MH: O texto acima é da Agência Petrobras. Não faz referência onde serão usados estas 200 embarcações, mas cita a finalidade: renovar a frota e atender a demanda do plano estratégico de investimento da Companhia nos próximos anos. E o plano de investimento da Petrobras, havendo acordo com o IBAMA, é explorar a Margem Equatorial e investir pesado na transição energética - setor eólico no mar. E os investimentos na margem equatorial começaram pelo litoral do Rio Grande do Norte, onde estão sendo perfurados poços de estudos no Campo de Pitu. 

Notas

Tekton

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário