13 ABR 2021 | ATUALIZADO 18:12
SAÚDE
Da redação
03/02/2016 23:38
Atualizado
12/12/2018 14:52

Eu tentei diz vice-prefeito de Baraúna sobre os salários dos servidores

A+   A-  
Moradores de Baraúna e servidores preparam um protesto para esta quinta-feira; Prefeito mostra que último ato foi baixar o decreto garantindo a implantação do Plano de Cargo dos Servidores
Imagem 1 -   Eu tentei  diz vice-prefeito de Baraúna sobre os salários dos servidores

O vice-prefeito Edson Barbosa, de Baraúna, contou que encontrou no final de dezembro, quando assumiu após a prefeita Luciana Oliveira pedir licença do cargo por 90 dias, R$ 240 mil nas contas e tinha que pagar a folha de dezembro de aproximadamente R$ 2 milhões.

Disse que fez cortes, reduziu o que pode em contratos de servidores terceirizados e comissionados, e assim conseguiu juntar quase R$ 2 milhões nas contas da Prefeitura para pagar os salários dos servidores e começar a fazer o município a funcionar.

Edson Barbosa disse que passou quase 30 dias com o Banco do Brasil sacaneando com ele, pois não liberava as senhas das contas para pagar os serviços básicos e quando finalmente liberou, Barbosa disse que foi comprar medicamentos em Natal. “Era muito urgente”, disse.

Seu ultimo ato como prefeito foi garantir, por decreto, a implantação do Plano de Cargo Carreira e Salários dos Servidores Públicos de Baraúna.

“Precisava garantir medicamentos para o carnaval e também por pelo menos um mês além. Isto é um serviço essencial que precisa funcionar urgente! Tem gente morrendo por falta do básico na saúde. Vocês estão vendo o que está acontecendo”, diz Edson Barbosa.

Além das dificuldades que teve de acesso às contas da Prefeitura, Edson Barbosa disse que sentiu que havia secretários da gestão de Luciana Oliveira que estavam colocando dificuldades ou, em alguns casos, até boicotando sua gestão com medidas contrárias aos anseios do povo.

“Havia gente da gestão de Luciana Oliveira querendo a todo custo mexer e eu não aceitei de jeito nenhum isto acontecer. Fiz um esforço e conseguir resgatar alguns convênios federais na área de educação e saúde depois que contratei uma consultoria”, acrescenta.

Ainda conforme Edson Barbosa, depois das medidas para conter gastos e reduzir o custo da máquina administrativa, conseguiu juntar quase R$ 2 milhões para pagar aos servidores públicos e garantir logo a partir deste mês implantar o Plano de Cargo Carreira e Salários.

Isto contrariou os interesses do grupo político de Luciana Oliveira, que decidiu voltar para o cargo sorrateiramente sem qualquer aviso. Foi lá, pediu o bloqueio das contas bancárias da Prefeitura e assumiu dois meses antes do previsto na autorização aprovada na Câmara.

“Eu tentei fazer a Prefeitura funcionar, com saúde, educação e limpeza pública. Negociei com os servidores e estava tudo certo, mas agora só me resta pedir a compreensão dos meus amigos e da população de Baraúna. Eu tentei”, completa Edson Barbosa.

Sobre o que teria motivado o retorno repentino de Luciana ao cargo, Edson Barbosa escreveu: "Adjano pressionou Gilson. Inconformado com as mudanças e despeitado com os resultados de nossa gestão as forças do mal obrigaram a Luciana retornar e ser manipulada na prefeitura. Não cedi e nem me rendi com a pressão de arrancar dinheiro para compromissos escusos".

Protesto

Os servidores de Baraúna, assim como parte da população, estão se organizando para logo na manhã nesta quinta-feira, 4, fazer um grande protesto em frente à Prefeitura de Baraúna, exigindo que os recursos que tem em caixa seja usado para pagar os servidores.  “Estamos torcendo que os servidores não percam a cabeça e promovam um quebra quebra”.

Notas

Posto JP Fevereiro de 2021

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário