05 DEZ 2020 | ATUALIZADO 07:49
POLÍCIA
29/10/2020 10:09
Atualizado
29/10/2020 10:14

Advogado intermediava operações de tráfico interestadual de drogas no RN, aponta PF

A+   A-  
A PF deflagrou nesta quinta-feira (29) a Operação Extração III, para coletar provas necessárias à instrução de investigação voltada à reprimir a atuação de uma organização criminosa dedicada ao tráfico de drogas na Região Oeste do Estado; As investigações revelaram que após a prisão de lideranças da facção, em setembro de 2019, o tráfico, sob condução dos suspeitos, passou a ser gerenciado de dentro de unidades penais com o auxílio de um advogado
Imagem 1 -
FOTO: CEDIDA

A Força-Tarefa de Combate ao Crime Organizado, coordenada pela Polícia Federal, deflagrou nesta quinta-feira (29), a Operação Extração III, com o objetivo de coletar provas necessárias para instrução de investigação voltada à reprimir a atuação de uma organização criminosa dedicada ao tráfico de drogas na Região Oeste do Rio Grande do Norte.

Além da PF, a Força-Tarefa é composta por Policiais Civis, Policiais Militares e Policiais Penais Federais, atuando em colaboração com a Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça e Segurança Pública (SEOPI).

Cerca de 30 policiais estão cumprindo 4 mandados de busca e apreensão expedidos pela 2ª Vara Criminal, nas cidades de Mossoró/RN, Natal/RN e João Pessoa/PB.

As investigações revelaram que após a prisão de lideranças da facção criminosa em setembro de 2019, quando da deflagração da primeira fase da Operação Extração, o tráfico de drogas sob condução dos suspeitos passou a ser gerenciado de dentro de unidades penais com o auxílio de um advogado que transitava informações clandestinas objetivando perpetuar aquela atividade ilícita.

Veja mais:

Policiais federais, militares e Depen estão em operação contra o PCC no RN

Operação conjunta prende chefe de facção criminosa com atuação no RN


Também restou comprovado que o fornecedor das drogas comercializadas pela célula criminosa no Oeste Potiguar agia de dentro da Penitenciária PB1, em João Pessoa/PB, sendo que o mesmo suspeito já havia sido preso pela Polícia Federal em 2015, acusado de participar de diversos assaltos contra agências dos Correios no interior do RN.

Vale registrar que, no ano de 2019, cooperativa criminosa ligada aos investigados intencionou promover ataques dentro do sistema prisional potiguar, incentivando a violência contra integrantes de facções rivais e estimulando o confronto com forças policiais do estado, fato anteriormente investigado e acompanhado pela atual unidade de ações integradas.

Em virtude de tal articulação, no ano de 2020, cinco membros da cúpula da Orcrim foram transferidos para o Sistema Prisional Federal.

Apesar das restrições impostas pela pandemia, a Polícia Federal e as demais forças policiais seguem atuando em sintonia contra o crime organizado no Rio Grande do Norte.


Notas

AME

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário