11 AGO 2022 | ATUALIZADO 17:30
MUNDO
COM INFORMAÇÕES DA CNN
20/12/2021 10:06
Atualizado
20/12/2021 10:07

De esquerda, Gabriel Boric é eleito como novo presidente do Chile

A+   A-  
As votações do segundo turno das eleições presidenciais no país foram realizadas neste domingo (19). Por volta das 20h21, Boric tinha 55,86% dos votos válidos, enquanto seu adversário, o advogado José Antonio Kast, de extrema-direita, tinha 44,14%, com 99,47% das urnas apuradas. O candidato de esquerda terá um mandato de quatro anos, a partir de 2022.
Imagem 1 -
FOTO: AP PHOTO/ANDRES POBLETE

O deputado e ex-líder estudantil Gabriel Boric, de esquerda, ganhou o segundo turno das eleições presidenciais do Chile neste domingo (19), segundo o Serviço Eleitoral do país.

Seu adversário, o advogado José Antonio Kast, de extrema-direita, fez uma publicação no Twitter em que reconheceu a vitória do representante da aliança Apruebo Dignidad (Eu aprovo a dignidade, em tradução).

Em sua conta no Twitter, Kast, da aliança Fronte Social-Cristão, escreveu: “Acabei de falar com Gabriel Boric e parabenizá-lo pela grande vitória. A partir de hoje é o Presidente eleito do Chile e merece todo o nosso respeito e colaboração construtiva. Chile em primeiro lugar”.

Por volta das 20h21, Boric tinha 55,86% dos votos válidos, enquanto Kast tinha 44,14%, com 99,47% das urnas apuradas. O candidato de esquerda terá um mandato de quatro anos, a partir de 2022.

Somando votos nulos (0,84%) e em branco (0,29%), 8.347 milhões de chilenos votaram, número superior aos cerca de 7 milhões no primeiro turno. Ao todo, 15 milhões de pessoas poderiam participar do pleito. O voto no Chile não é obrigatório.

Boric, um jovem de 35 anos, fez uma publicação no Instagram após a vitória. “Somos unidade. Somos esperança. Somos mais quando estamos juntos. Seguimos!”, disse.

O resultado é uma reversão do primeiro turno, em 21 de novembro, quando Kast ficou em primeiro lugar com 27,91% dos votos, e Boric em segundo, com 25,82%. O vitorioso precisa ter mais de 50% dos votos válidos.

O novo presidente eleito sucederá Sebastian Piñera, de direita, que encerrará um mandato marcado por uma série de protestos em 2019, alimentados pela insatisfação com a desigualdade econômica no país, e pela pandemia de Covid-19.

PROPOSTAS

O segundo turno foi o primeiro desde a redemocratização do Chile, na década de 1990, que não contou com as tradicionais forças políticas, de centro-esquerda e centro-direita.

Os dois candidatos acabaram representando uma guinada para extremos no país. Kast defendeu ao longo da campanha o legado do ditador chileno Augusto Pinochet. Ao mesmo tempo, fez duras críticas a Boric, aproveitando-se do fato do político ser aliado do Partido Comunista do Chile.

Já Boric prometeu impedir um avanço do autoritarismo e do conservadorismo no país, enquanto Kast afirmou que “o Chile não é e nunca será uma nação comunista ou marxista”.

Economicamente, Boric defendeu ao longo da campanha uma reforma tributária e no sistema previdenciário. Ele também quer aumentar os impostos para empresas privadas que exploram cobre, principal produto de exportação do Chile. Já Kast se colocou favorável a cortar impostos, e já sugeriu que privatizaria a Codelco, empresa estatal que explora cobre.

Boric também chegou a dizer que o modelo econômico do Chile, ainda muito atrelado ao neoliberalismo implementado durante a ditadura de Pinochet, foi responsável por alimentar a desigualdade no país, e precisa ser substituído.

Kast elogia o sistema, e promete ser um candidato que defenderá a “lei e a ordem” no país, com posição dura em relação à imigração ilegal. Ele se posicionou contra o aborto e o casamento entre pessoas de mesmo sexo, enquanto Boric se colocou como favorável aos dois pontos, assim como à legalização da maconha.


Notas

UNP 27 de junho de 2022

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário