17 JUN 2024 | ATUALIZADO 17:27
ECONOMIA
Da redação / Com informações do Valor
24/12/2015 07:01
Atualizado
13/12/2018 13:22

Walmart estuda fechar 30 unidades e cortar empregos em 2016

A+   A-  
O Walmart é dono da cadeia Bompreço, no Nordeste, e das bandeiras BIG, Nacional e Mercadorama, no Sul. O fechamento deve atingir 5% das unidades em todo país.
Imagem 1 -  Walmart estuda fechar 30 unidades e cortar empregos em 2016
Divulgação

Terceira maior rede de supermercados e hipermercados do país, o Walmart está definindo um plano de fechamento de lojas que deve atingir 30 unidades em 2016. Isso equivale a 5% dos 544 pontos de venda no país. Donos dos imóveis que abrigam as lojas que devem ser fechadas no Nordeste e no Sul do país foram informados sobre a decisão.

Não foram reveladas quais unidades deverão ser atingidas com o plano de fechamento. Em Mossoró, o Walmart é dono do Hiper Bompreço, cadeia presente em várias cidades do Nordeste. O grupo também possui as bandeiras BIG, Nacional e Mercadorama, no Sul.

Em 2013, a varejista fechou 25 lojas e abriu 22. Em 2014 e neste ano não houve, praticamente, abertura de lojas. Na empresa americana, o maior grupo varejista do mundo, decisões desse tipo são discutidas em parceria com a subsidiária, mas a matriz tem a palavra final.

O comando do Walmart nos EUA já informou que pode sair de determinados países, se considerar necessário. Analistas observam que isso deve afetar mercados da América do Sul - há operações no Chile, na Argentina e no Brasil.

Questionada a respeito das informações apuradas sobre fechamento de 30 lojas no país, a empresa informa que, "como dito pelo presidente global do Walmart, Doug McMillon, em outubro, a empresa está constantemente revisando seu portfólio e tomando decisões baseadas no que é melhor para o negócio e para os clientes".

O Walmart estuda também alugar parte de seus terrenos no Brasil, onde estão instaladas lojas mais antigas da rede, para a instalação de pontos de outras redes, gerando receita extra. Há negociação em andamento com as redes de material de construção Sodimac e a Dicico, envolvendo as lojas do Walmart no Sul e no Nordeste, segundo uma fonte.

Neste ano, o Walmart já vendeu à BW Properties, que tem como um dos sócios a construtora WTorre, mais 41% de um imóvel no Morumbi, em São Paulo, por R$ 106 milhões. A BW já tinha 59% e pagou o negócio à vista.

Para Craig Johnson, presidente da Customer Growth Partners, empresa de pesquisa e consultoria, o Walmart registra bom desempenho em vendas "mesmas lojas" (abertas há mais de um ano) na maioria de suas principais áreas de atuação por quase dois anos, mas há atrasos em várias áreas, "talvez mais notadamente no Brasil".

Ele disse ao Valor que "a entrada do Walmart no Brasil muitos anos atrás se enquadra na categoria de "parecia uma boa ideia na época". Tenta-se consertar problemas intratáveis no Brasil, que existem antes mesmo da crise econômica atual. Isso tem se revelado num desafio muito difícil".

Para Johnson, há "muitas oportunidades internacionais em locais onde o grupo está melhor posicionado do que o Brasil. Num retrospecto, o Brasil pode ter provado ser algo complicado e desafiador demais para ser executado".

No país desde 1995, a varejista enfrenta dificuldades, após expansão acelerada nos anos 2000 e lentidão maior no processo de integração de redes compradas.

A empresa está em reestruturação há pelos menos quatro anos no país e tenta implementar, desde 2011, a política do "preço baixo todo dia", que, em teoria, não admite promoções. Dados do terceiro trimestre mostram números fracos no país, onde as vendas líquidas caíram 0,4% - desempenho abaixo de Carrefour e do Grupo Pão de Açúcar. No conceito "mesmas lojas", as vendas diminuíram 0,6%.

Notas

Relativa

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário