17 JUN 2024 | ATUALIZADO 14:29

COLUNA ESPLANADA

  [COLUNA ESPLANADA] A notícia entre portas de gabinetes na Esplanada de que o secretário-executivo Ricardo Cappelli pode dançar no Ministério da Justiça, com a confirmação da indicação de Ricardo Lewandowski como titular, o fez correr para avisar a aliados que ele está garantido na pasta, mesmo num cargo inferior – foi o trato com o ex-chefe e agora ministro nomeado para o Supremo Tribunal Federal (STF) Flávio Dino. A indicação do ex-ministro do STF para a Justiça mexeu com os brios do PSB e PT, que dominam cargos importantes do 2º escalão da pasta. Cappelli – um ficha-limpa filiado ao PSB porém sem peso político – ainda é uma opção para Lula da Silva em outros cargos-chaves no Governo, embora tenha resistências de boa parte do PT.
[COLUNA ESPLANADA] Ricardo Cappelli está garantido no Ministério da Justiça

15/01/2024 08:39

A notícia entre portas de gabinetes na Esplanada de que o secretário-executivo Ricardo Cappelli pode dançar no Ministério da Justiça, com a confirmação da indicação de Ricardo Lewandowski como titular, o fez correr para avisar a aliados que ele está garantido na pasta, mesmo num cargo inferior – foi o trato com o ex-chefe e agora ministro nomeado para o Supremo Tribunal Federal (STF) Flávio Dino. A indicação do ex-ministro do STF para a Justiça mexeu com os brios do PSB e PT, que dominam cargos importantes do 2º escalão da pasta. Cappelli – um ficha-limpa filiado ao PSB porém sem peso político – ainda é uma opção para Lula da Silva em outros cargos-chaves no Governo, embora tenha resistências de boa parte do PT.

  [COLUNA ESPLANADA] O Supremo Tribunal Federal (STF) segue dilapidando as contraditórias decisões da operação Lava Jato. Depois de absolver sete políticos no ano passado - Beto Richa (PSDB), José Dirceu, Luiz Fernando Pezão, Eduardo Cunha, Sérgio Cabral, Gleisi Hoffmann e André Vargas -, o ministro Edson Fachin anulou o processo que condenou o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto a 24 anos de prisão. Em setembro, o ministro Dias Toffoli jogou uma pá de cal ao definir as provas da operação como “imprestáveis”. São esperadas, para este ano, outras decisões anti-Lava Jato, já que oito dos 11 ministros são “garantistas” - contra as condenações da operação. Entre eles, Flávio Dino, que assume a cadeira no STF em fevereiro. Ele classificou como “reparação histórica” a anulação de provas da Lava Jato pelo ministro Dias Toffoli.
[COLUNA ESPLANADA] STF inocenta ex-tesoureiro do PT condenado na Lava Jato

12/01/2024 08:40

O Supremo Tribunal Federal (STF) segue dilapidando as contraditórias decisões da operação Lava Jato. Depois de absolver sete políticos no ano passado - Beto Richa (PSDB), José Dirceu, Luiz Fernando Pezão, Eduardo Cunha, Sérgio Cabral, Gleisi Hoffmann e André Vargas -, o ministro Edson Fachin anulou o processo que condenou o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto a 24 anos de prisão. Em setembro, o ministro Dias Toffoli jogou uma pá de cal ao definir as provas da operação como “imprestáveis”. São esperadas, para este ano, outras decisões anti-Lava Jato, já que oito dos 11 ministros são “garantistas” - contra as condenações da operação. Entre eles, Flávio Dino, que assume a cadeira no STF em fevereiro. Ele classificou como “reparação histórica” a anulação de provas da Lava Jato pelo ministro Dias Toffoli.

  [COLUNA ESPLANADA] Setores rancorosos do PT não gostaram do anúncio do retorno da ex-prefeita Marta Suplicy ao partido para disputar a eleição à Prefeitura de São Paulo como vice na chapa do deputado federal Guilherme Boulos. Fizeram circular a carta de desfiliação, de 2015, na qual ela afirmou “não ter como conviver” com os escândalos de corrupção envolvendo o partido.
[COLUNA ESPLANADA] Setores do PT relembram carta de desfiliação de Marta Suplicy em 2015

11/01/2024 08:32

Setores rancorosos do PT não gostaram do anúncio do retorno da ex-prefeita Marta Suplicy ao partido para disputar a eleição à Prefeitura de São Paulo como vice na chapa do deputado federal Guilherme Boulos. Fizeram circular a carta de desfiliação, de 2015, na qual ela afirmou “não ter como conviver” com os escândalos de corrupção envolvendo o partido.

  [COLUNA ESPLANADA] Os comandantes das três Forças Armadas - Tomás Paiva (Exército), Marcos Olsen (Marinha) e Marcelo Damasceno (Aeronáutica) – não esconderam o desconforto durante o ato Democracia Inabalada, no Congresso Nacional. Franziram os semblantes em alguns momentos, em especial quando a governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT), puxou o coro "sem anistia", que incomoda e muito a caserna.
[COLUNA ESPLANADA] 8/1: Fátima puxa coro de "sem anistia" e incomoda Forças Armadas

10/01/2024 08:38

Os comandantes das três Forças Armadas - Tomás Paiva (Exército), Marcos Olsen (Marinha) e Marcelo Damasceno (Aeronáutica) – não esconderam o desconforto durante o ato Democracia Inabalada, no Congresso Nacional. Franziram os semblantes em alguns momentos, em especial quando a governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT), puxou o coro "sem anistia", que incomoda e muito a caserna.

  [COLUNA ESPLANADA] O Governo Lula 3 recorreu ao Orçamento para estreitar laços com as Forças Armadas após o alinhamento ao Governo de Jair Bolsonaro. O valor destinado ao Exército, Marinha e Aeronáutica, em 2023 - de R$ 124,53 bi -, foi superior aos últimos quatro anos: 2022 (R$ 122,52 bi), 2021 (R$ 117,06 bi), 2020 (R$ 115,76 bi) e 2019 (R$ 115,11 bi). A maior fatia (44,75%) do orçamento do ano passado foi para o Exército. Para este ano, o orçamento aprovado pelo Congresso Nacional amplia os recursos voltados ao Ministério da Defesa - para R$ 126,1 bilhões. A pasta é a quinta com maior Orçamento no Brasil. Além disso, está em estudo no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) alternativas de fomento ao complexo industrial de defesa brasileiro.
[COLUNA ESPLANADA] Valor destinado às forças armadas em 2023 superou os 4 anos anteriores

09/01/2024 08:30

O Governo Lula 3 recorreu ao Orçamento para estreitar laços com as Forças Armadas após o alinhamento ao Governo de Jair Bolsonaro. O valor destinado ao Exército, Marinha e Aeronáutica, em 2023 - de R$ 124,53 bi -, foi superior aos últimos quatro anos: 2022 (R$ 122,52 bi), 2021 (R$ 117,06 bi), 2020 (R$ 115,76 bi) e 2019 (R$ 115,11 bi). A maior fatia (44,75%) do orçamento do ano passado foi para o Exército. Para este ano, o orçamento aprovado pelo Congresso Nacional amplia os recursos voltados ao Ministério da Defesa - para R$ 126,1 bilhões. A pasta é a quinta com maior Orçamento no Brasil. Além disso, está em estudo no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) alternativas de fomento ao complexo industrial de defesa brasileiro.


Notas

Relativa

Publicidades