17 JUN 2024 | ATUALIZADO 14:29

COLUNA ESPLANADA

  [COLUNA ESPLANADA] Além das regalias – como carros oficiais, assessores, viagens e diárias – os ex-presidentes brasileiros recebem, mensalmente, vencimentos bem acima do teto do serviço público (atualmente de R$ 39 mil). Conforme o portal de Dados Abertos da Presidência da República, a ex-presidente Dilma Roussef, que sofreu impeachment, embolsou, em março, R$ 69.806,84; Michel Temer, R$ 57.505,56; o ex-presidente Lula, em pré-campanha, R$ 46.155,49; Fernando Henrique Cardoso, R$ 49.951,04; Fernando Collor, R$ 54.959,86 e o ex-presidente José Sarney, R$ 54.246,58. Os dados de abril ainda não estão disponíveis no portal.
[COLUNA ESPLANADA] Ex-presidentes possuem regalias e salários acima do teto do serviço público

13/05/2022 08:22

Além das regalias – como carros oficiais, assessores, viagens e diárias – os ex-presidentes brasileiros recebem, mensalmente, vencimentos bem acima do teto do serviço público (atualmente de R$ 39 mil). Conforme o portal de Dados Abertos da Presidência da República, a ex-presidente Dilma Roussef, que sofreu impeachment, embolsou, em março, R$ 69.806,84; Michel Temer, R$ 57.505,56; o ex-presidente Lula, em pré-campanha, R$ 46.155,49; Fernando Henrique Cardoso, R$ 49.951,04; Fernando Collor, R$ 54.959,86 e o ex-presidente José Sarney, R$ 54.246,58. Os dados de abril ainda não estão disponíveis no portal.

  [COLUNA ESPLANADA] O presidente Jair Bolsonaro joga para a plateia às vésperas da campanha, e só as próximas pesquisas vão mostrar se ele convenceu na sua farsa de tentar reduzir o preço do combustível e gás. Fato é que o chefe está voto vencido no caso e “refém” do conselho de administração da Petrobras. Bolsonaro já trocou o presidente da petroleira e acaba de nomear novo ministro de Minas e Energia, na tentativa de forçar a redução dos preços. Em vão. A Coluna obteve informação de fonte da empresa de que em recente reunião, a maioria dos conselheiros - até os que são nomeados pelo Governo como sócio-majoritário - indicaram a necessidade de novo aumento do preço da gasolina e óleo diesel.
[COLUNA ESPLANADA] Bolsonaro está “refém” do conselho de administração da Petrobras

12/05/2022 08:10

O presidente Jair Bolsonaro joga para a plateia às vésperas da campanha, e só as próximas pesquisas vão mostrar se ele convenceu na sua farsa de tentar reduzir o preço do combustível e gás. Fato é que o chefe está voto vencido no caso e “refém” do conselho de administração da Petrobras. Bolsonaro já trocou o presidente da petroleira e acaba de nomear novo ministro de Minas e Energia, na tentativa de forçar a redução dos preços. Em vão. A Coluna obteve informação de fonte da empresa de que em recente reunião, a maioria dos conselheiros - até os que são nomeados pelo Governo como sócio-majoritário - indicaram a necessidade de novo aumento do preço da gasolina e óleo diesel.

  [COLUNA ESPLANADA] A Braskem, controlada pela Novonor (ex-Odebrecht) e Petrobras, anunciou sua filiação ao Instituto Combustível Legal (ICL), entidade que reúne as maiores distribuidoras de combustíveis do país e comandada pelo general Guilherme Theophilo, braço-direito de Sergio Moro nos tempos de Ministério da Justiça. A empresa petroquímica, que foi uma das estrelas da Lava-Jato ao ser acusada de pagar propina a políticos e executivos da Petrobras, justificou sua entrada no ICL para “construir um ambiente mais ético”.
[COLUNA ESPLANADA] Braskem anuncia sua filiação ao Instituto Combustível Legal (ICL)

11/05/2022 08:10

A Braskem, controlada pela Novonor (ex-Odebrecht) e Petrobras, anunciou sua filiação ao Instituto Combustível Legal (ICL), entidade que reúne as maiores distribuidoras de combustíveis do país e comandada pelo general Guilherme Theophilo, braço-direito de Sergio Moro nos tempos de Ministério da Justiça. A empresa petroquímica, que foi uma das estrelas da Lava-Jato ao ser acusada de pagar propina a políticos e executivos da Petrobras, justificou sua entrada no ICL para “construir um ambiente mais ético”.

  [COLUNA ESPLANADA] Preso em 2010 no âmbito da operação Caixa de Pandora, o ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda, que perdeu os direitos políticos, tem um habeas corpus no Supremo Tribunal Federal (STF) no qual pede a invalidação da inelegibilidade, prestes a entrar em pauta numa das Turmas. E está confiante. Se cair a punição, ele sairá candidato ao governo do DF e a esposa, Flávia Arruda - hoje candidata ao Senado na chapa do governador Ibaneis Rocha - tentará a reeleição como deputada federal.
[COLUNA ESPLANADA] José Roberto Arruda está confiante em HC que invalida sua inelegibilidade

10/05/2022 08:10

Preso em 2010 no âmbito da operação Caixa de Pandora, o ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda, que perdeu os direitos políticos, tem um habeas corpus no Supremo Tribunal Federal (STF) no qual pede a invalidação da inelegibilidade, prestes a entrar em pauta numa das Turmas. E está confiante. Se cair a punição, ele sairá candidato ao governo do DF e a esposa, Flávia Arruda - hoje candidata ao Senado na chapa do governador Ibaneis Rocha - tentará a reeleição como deputada federal.

  [COLUNA ESPLANADA] O presidente Bolsonaro não tira da cabeça que é política a trava burocrática no TCU sobre a privatização da Eletrobras. Evidente que a Corte administrativa lotada de ex-congressistas – alguns não palatáveis a Bolsonaro – não fugiria a essa suspeita. Mas a preocupação agora também é com os Correios. O desespero bateu na “equipe de vendas” do Palácio, que tem junho como prazo para as privatizações. Bancos e uma multinacional latina estão de olho. Em jogo, os milhares de pontos próprios e franqueados, a boa logística para entrega de e-commerce e o cadastro de milhões de brasileiros – o mailing é ouro, um acesso a potenciais consumidores.
[COLUNA ESPLANADA] “Equipe de vendas” do Planalto só tem até junho para concluir privatizações

09/05/2022 08:24

O presidente Bolsonaro não tira da cabeça que é política a trava burocrática no TCU sobre a privatização da Eletrobras. Evidente que a Corte administrativa lotada de ex-congressistas – alguns não palatáveis a Bolsonaro – não fugiria a essa suspeita. Mas a preocupação agora também é com os Correios. O desespero bateu na “equipe de vendas” do Palácio, que tem junho como prazo para as privatizações. Bancos e uma multinacional latina estão de olho. Em jogo, os milhares de pontos próprios e franqueados, a boa logística para entrega de e-commerce e o cadastro de milhões de brasileiros – o mailing é ouro, um acesso a potenciais consumidores.


Notas

Relativa

Publicidades