08 AGO 2020 | ATUALIZADO 13:32
SAÚDE
Cezar Alves e Valéria Lima
09/03/2015 16:10
Atualizado
13/12/2018 10:40

Dificuldades no Hospital da Mulher superlota Maternidade Almeida Castro

A+   A-  
Unidade Materno Infantil tem aumento substancial no número de partos, chegando a fazer 20 procedimentos neste domingo, 8, sendo 15 cesáreas e 5 normais

O Hospital Maternidade Almeida Castro, em Mossoró/RN, tem apresentado um aumento substancial no número de partos tanto normais como cesáreo nos últimos 10 dias.

Em média, estão sendo realizados 20 partos por dia na unidade, o dobro de 3 meses atrás.  Neste domingo, 8, por exemplo, foram 5 partos normais e 15 por meio de cirurgia.

O aumento é uma consequência das dificuldades que passa o Hospital da Mulher Maria Parteira, que, inclusive, teve seus diretores nomeados neste sábado, 7.

Atualmente, a maternidade tem 66 leitos de obstetrícia, com a estimativa de inauguração de mais 34 até o fim deste mês, dentro os quais estão 18 referentes à Gestação de Alto Risco (GAR), que fará o acompanhamento das gestantes durante todo o processo da gravidez.

De acordo o enfermeiro Benedito Viana, membro da Junta de Intervenção Federal do Hospital Maternidade Almeida Castro, o setor obstetrício está, de fato, superlotado.

Estão lotados os 66 leitos de maternidade nos setores UTI Neonatal (8), berçário (6), Ucinco (10), Pré-parto (8), Centro de Recuperação Obstetrícia (6) e Alojamento Conjunto (24). São mais de 300 funcionários dedicados para garantir o melhor atendimento as mulheres.

Para Benedito, o aumento número de atendimento tem se dado tanto por conta da abertura de novos leitos de Unidade de Terapia Intensiva Neonatal na maternidade, no dia 2 passado, e também devido as dificuldades enfrentadas pelo Hospital da Mulher.

Atualmente a Secretaria Municipal de Saúde está negociando com a Secretaria Estadual de Saúde para municipalizar o Banco de Leite, que funciona ao lado do Hospital Maternidade Almeida Castro. A meta é agregar este banco a maternidade, no programa Mãe Canguru.

A reativação de alguns serviços e a implantação de outros no Hospital Maternidade Almeida Castro está possibilitando um grande avanço na ampliação Rede Cegonha (todo o processo antes, durante e depois do parto) na região do município de Mossoró.

Segundo Aguyda Freire, supervisora administrativa do Hospital Maternidade Almeida Castro e Coordenadora de Saúde da Mulher em Mossoró, a Secretaria Municipal de Saúde está investindo na atenção básica, ampliando e estruturando os Programas de Saúde da Família.

O que é Rede Cegonha
É um programa do Governo Federal que atende toda a gestação, começando da assistência ao pré-natal, passando pelo nascimento e concluindo com toda a atenção a mãe, no período pós parto, e também a criança por um período de até 2 anos.



Nova diretoria do Hospital da Mulher convoca entrevista coletiva para esta terça


A nova diretoria do Hospital da Mulher, que tiveram seus nomes publicados no Diário Oficial do Estado, edição de sábado, 7, convoca coletiva de imprensa para 10h30 esta terça-feira, 10.

Os médicos Alexandre Mendonça e Huguimara Araújo já estão trabalhando no Hospital, mas preferiram não falar em entrevista neste primeiro dia no novo serviço.

A fala será oficial e para toda a imprensa, em coletiva marcada para esta terça-feira, 10, às 10h30, no salão de entrada da Unidade Hospitalar.

O Hospital da Mulher ficou sem direção quando os médicos Inavan Xavier e Manoel Nobre pediram exoneração dos cargos, na última terça-feira (03).

Eles alegaram questões pessoais e dificuldades para gerir a Unidade.



Cirurgias gerais e ortopédicas começam na próxima semana


Com a intervenção, a Maternidade Almeida Castro passa a oferecer também serviços de hospital geral, daí a inclusão de hospital em seu nome.

Está sendo projetado para os próximos dias entrar em funcionamento o Centro Cirúrgico, com 4 salas, capacidade para fazer pelo menos 250 cirurgias por mês.

Na próxima quinta-feira, 12, inicia os exames (processo de triagem observando os casos mais graves) nos pacientes indicados pela regulação para começar as cirurgias.

Associado a este Centro Cirúrgico, o interventor Benedito Viana revelou que já estão quase prontos mais 9 leitos de UTI adulto, 6 de recuperação pós cirúrgicos e 34 de clínica cirúrgica.

Estes serviços em funcionamento, segundo Benedito Viana, vai desafogar as clínicas do Hospital Regional Tarcísio Maia, permitindo assim um atendimento mais humanizado.


Outros serviços igualmente importantes


O interventor Benedito Viana destaca que a meta de trabalho a partir de agora, além de consolidar o Centro Cirúrgico e a UTI adulto, é instalar pelo menos 10 leitos de UTI Pediátrico.

Já estamos em planejamento, conversando com os arquitetos e engenheiros para “recuperar a estrutura física do prédio, readapta-lo para ampliar nossos serviços” destaca.

O laboratório para fazer exames bioquímicos, hematológicos, entre outros, já está funcionando desde 9 de fevereiro passado. O Raio X e a Ultrassonografia também.

Reativação está sendo feita em parceria com a Prefeitura


A reativação do Hospital Maternidade Almeida Castro está sendo feito com o que o hospital recebe do Sistema Único de Saúde (SUS) e em parceria com a Prefeitura de Mossoró, através da Secretaria Municipal de Saúde, com contratação de médicos e equipamentos.

A unidade de saúde considerada referência para o setor materno infantil no Oeste do Rio Grande do Norte, chegou a fechar no dia 8 de agosto de 2014, por falta de médico, condições de trabalho e servidores com mais de três meses de salários atrasados.

Diante da importância da unidade, a Justiça decretou a intervenção, atendendo pedido do Ministério Público Estadual, Federal e do Trabalho, determinando que o prefeito Francisco José Junior indicasse os membros da junta interventora na unidade.

A Junta Interventora assumiu de fato no dia 3 de outubro. Em novembro já foi possível abrir 30 leitos de obstetrícia. Atualmente são 66 funcionando e outros 34 sendo implantados, conforme destaca a coordenadora da junta interventora Larizza Queiroz.

Atualmente a Junta Interventora aguarda a liberação de emendas federais que foram destinadas para investir na recuperação e ampliação do prédio, que está debilitado em alguns pontos. Este é um trabalho de articulação que está sendo feito junto a classe política.


Membros da Junta interventora

Larizza Queiroz, coordenadora geral
Benedito Viana, enfermagem;
Erisberto Conrado, financeiro;
Maria Ivanize, administrativa

Notas

AME

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário