07 JUL 2020 | ATUALIZADO 08:45
SAÚDE
Da redação
10/08/2015 09:09
Atualizado
13/12/2018 11:49

Justiça condena assaltante de Correios a 19 anos de prisão

A+   A-  
O assalto aconteceu em dezembro do ano passado a agência dos Correios de Ruy Barbosa, na região da Borborema Potiguar
Imagem 1 -  Justiça condena assaltante de Correios a 19 anos de prisão
Cedida/PM

A Justiça Federal do RN condenou Francisco de Assis Otaviano Ribeiro por 19 anos de prisão por assaltos aos Correios no município de Ruy Barbosa, região da Borborema Potiguar. O crime aconteceu em 9 de dezembro de 2014. Ele foi preso em flagrante após trocar tiros com a Polícia durante a fuga pela BR-304.

De acordo com a denúncia do Minitério Público Federal, Francisco de Assis participou do crime com mais três comparsas: Gilson Freire de Andrade Filho e outros dois conhecidos apenas como “Neguinho” e “Pêu”.

Além de assaltar os Correios, de onde levaram R$ 8.709,54, o grupo tomou os pertences de um carteiro e do vigilante (celulares, joia e colete à prova de balas) e roubou um Fiat Strada para a fuga, assim como a quantia estimada de R$ 1.900 do proprietário desse veículo.

Segundo informçaões, dois dos integrantes do grupo ingressaram na agência, por volta das 10h da manhã, e chegaram a agredir o vigilante.

O assalto terminou em uma troca de tiros, resultando na fuga de “Neguinho” e “Pêu” e na morte de Gilson Freire Filho.

A Justiça concluiu que, mesmo sem ingressar na agência, Francisco de Assis teve participação ativa nos crimes, tendo participado do roubo do veículo para fuga e trocando tiros com a polícia, com uma espingarda calibre 12, quando foram abordados na BR-304.

A pena total aplicada ao réu pelos crimes é de 19 anos, quatro meses e 12 dias de reclusão, devendo ser cumprida inicialmente em regime fechado. Da sentença ainda cabem recursos, mas o criminoso não poderá apelar em liberdade.

O processo tramita na Justiça Federal sob o número 0000372-65.2015.4.05.8400.

Com informações do MPF-RN

Notas

Compra Notebook

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário