25 AGO 2019 | ATUALIZADO 17:47
SAÚDE

Mossoró: Quatro casos de raiva em morcegos deixam autoridades em alerta

Médico Igor Thiago, da Hapvida, destaca quais são os sintomas no caso da doença passar para o ser humano: “Mal-estar geral, pequeno aumento de temperatura, anorexia, náuseas, dor de garganta, entorpecimento e irritabilidade são os mais comuns”.
22/04/2019 10:51
Atualizado
22/04/2019 11:04
A+   A-  
Mossoró: Quatro casos de raiva em morcegos deixam autoridades em alerta
Casos de raiva em Morcegos estão sendo detectados pelos órgãos públicos em várias cidades do Rio Grande do Norte. Mossoró já registrou 4 casos só este ano
FOTO: DIVULGAÇÃO

Foram confirmados em 2019 no Rio Grande do Norte, 18 casos da doença infecciosa de raiva em morcegos, sendo que destes 18 casos 4 foram em Mossoró-RN.

A enfermidade pode ser transmitida do animal para o homem através da saliva, o que pode levar a morte em quase 100% dos casos. E já aconteceu caso de morte por esta doença no RN.

Os números preocupantes são do Programa de Controle da Raiva da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap). Requer mais atenção da população e do Poder Público dos municípios.

Os casos foram registrados nos municípios de Parnamirim (4), Mossoró (4), Caicó (4), Macaíba (3), Santo Antônio (2) e Nova Cruz (1). Mossoró enfrenta problemas nas equipes de endemias.

O município de João câmara registrou caso de raiva em um bovino. Para o médico infectologista do Hapvida saúde, Igor Thiago, os sintomas são alertas.

“Após o período de incubação, surgem os sinais e sintomas clínicos. Mal-estar geral, pequeno aumento de temperatura, anorexia, náuseas, dor de garganta, entorpecimento e irritabilidade são os mais comuns”, explica.

Ainda de acordo com o infectologista o diagnóstico feito com a “confirmação laboratorial em vida, ou seja, nos casos de raiva humana, pode ser realizada pelo método de imunofluorescência direta, em impressão de córnea, raspado de mucosa lingual ou por biópsia de pele da região cervical (tecido bulbar de folículos pilosos)”.

A melhor forma de tratamento é a vacinação oferecida na rede pública de saúde (SUS).

Notas

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário