25 NOV 2020 | ATUALIZADO 18:31
NACIONAL
COM INFORMAÇÕES DO UOL NOTÍCIAS
30/10/2020 15:38
Atualizado
30/10/2020 17:34

Mourão diz que governo vai comprar doses da Coronavac e que polêmica é "briga política"

A+   A-  
O vice-presidente concedeu entrevista à revista Veja, publicada nesta sexta-feira (30). Segundo ele, "é lógico que o governo federal vai comprar doses do imunizante". "Já colocamos os recursos no Butantan para produzir essa vacina. O governo não vai fugir disso aí."
Imagem 1 -  Mourão diz que governo vai comprar doses da Coronavac e que polêmica é "briga política". O vice-presidente concedeu entrevista à revista Veja, publicada nesta sexta-feira (30). Segundo ele, "é lógico que o governo federal vai comprar doses do imunizante". "Já colocamos os recursos no Butantan para produzir essa vacina. O governo não vai fugir disso aí."
Mourão diz que governo vai comprar doses da Coronavac e que polêmica é "briga política". O vice-presidente concedeu entrevista à revista Veja, publicada nesta sexta-feira (30). Segundo ele, "é lógico que o governo federal vai comprar doses do imunizante". "Já colocamos os recursos no Butantan para produzir essa vacina. O governo não vai fugir disso aí."
FOTO: REPRODUÇÃO

O vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) afirmou, em entrevista à revista Veja publicada nesta sexta-feira, 30, que a polêmica em torno da vacina contra covid-19 desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan é "briga política" com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

Segundo Mourão, "é lógico que o governo federal vai comprar doses do imunizante". "Já colocamos os recursos no Butantan para produzir essa vacina. O governo não vai fugir disso aí."

A fala de Mourão à Veja difere do posicionamento de Jair Bolsonaro sobre o assunto. Em diversas ocasiões, o presidente já disse que não irá comprar a vacina.

Ele chegou a desautorizar um acordo feito pelo Ministério da Saúde de intenção de compra de 46 milhões de doses da Coronavac. Além disso, Bolsonaro vem tendo embates públicos com Doria sobre a obrigatoriedade da imunização.

Doria defende a imunização compulsória no Estado. Já Bolsonaro diz que a vacinação contra covid-19 não será obrigatória.

Ao explicar por que não se incomoda quando opiniões suas são rebatidas publicamente pelo presidente Jair Bolsonaro, o vice-presidente sustentou que "tem vida", compartilhando na entrevista o que chamou de "momentos de liberdade": fazer alongamento e exercício de manhã, comer fora de casa e tomar uísque com sua esposa às sextas-feiras e, no sábado, jogar voleibol e "jogar conversa fora" no boteco. "Domingo saímos para almoçar ou vou à casa do meu filho para um churrasco", relatou.


Notas

AME

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário