26 JAN 2021 | ATUALIZADO 19:38
NACIONAL
COM INFORMAÇÕES DO G1
24/11/2020 15:45
Atualizado
24/11/2020 15:46

Com índice em 1,30, ritmo de contágio da Covid-19 no país é o maior desde maio

A+   A-  
Os dados são do Imperial College de Londres, no Reino Unido, divulgados nesta terça-feira (24); Pela margem de erro das estatísticas, essa taxa pode ser maior (Rt de até 1,45) ou menor (Rt de 0,86). Nesses cenários, cada 100 pessoas com o vírus infectariam outras 145 ou 86, respectivamente.
Imagem 1 -
FOTO: ACÁCIO PINHEIRO

Os cientistas apontam que "a notificação de mortes e casos no Brasil está mudando; os resultados devem ser interpretados com cautela".

Simbolizado por Rt, o "ritmo de contágio" é um número que traduz o potencial de propagação de um vírus: quando ele é superior a 1, cada infectado transmite a doença para mais de uma pessoa e a doença avança.

Depois de ficar abaixo de 1 por cinco semanas seguidas – entre o final de setembro e o final de outubro – , a taxa no Brasil voltou a ficar acima de 1 no início de novembro.

Há duas semanas, o número ficou em 0,68, o menor valor desde abril – mas a data coincide com o apagão de dados que atrasou a atualização de casos e mortes por Covid-19 pelo Ministério da Saúde. Como o Rt também considera esses dados, isso afeta as estimativas.

SEGUNDA ONDA

Na segunda-feira (23), pesquisadores brasileiros divulgaram uma nota técnica na qual, baseados em dados da pandemia do novo coronavírus no Brasil, afirmam que o país vive o "início de uma 2ª onda".

Eles apontaram ao menos três fatores para o "aumento explosivo" ou "manutenção da grande circulação do vírus":

falta de "testagem sistemática com rastreamento de casos";

falta de uma "política central coordenada, clara e eficaz de enfrentamento da situação";

"afrouxamento das medidas de isolamento sem evidências empíricas, sem uma análise cuidadosa por uma painel de especialistas".

O Brasil tinha 169.541 mortes por coronavírus confirmadas até as 8h desta terça-feira (24), segundo levantamento do consórcio de veículos de imprensa a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde. O número é o segundo maior do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos.


Notas

AME

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário