13 ABR 2024 | ATUALIZADO 13:43
POLÍCIA
CEZAR ALVES
27/02/2024 17:54
Atualizado
27/02/2024 17:54

“Tô com medo”, diz Seu Raimundo, de 77 anos, da Comunidade de Juremal

A+   A-  
A reportagem do Mossoró Hoje ouviu moradores das comunidades que estão na rota de fuga de Daibson Cabral Nascimento, o Tatu, de 33 anos, e Rogério da Silva Mendonça, o Martelo, de 36 anos, do Presídio Federal de Mossoró. Raimundo Mendes, de 77 anos, mora na comunidade de Juremal. O agricultor aposentado conta que sai de casa com medo e que sua esposa Jacinta fica preocupada, mas que ele precisa cuidar dos animais e também do roçado.
Imagem 1 -  “Tô com medo”, diz Seu Raimundo, de 77 anos, da Comunidade de Juremal. A reportagem do Mossoró Hoje ouviu moradores das comunidades que estão na rota de fuga de Daibson Cabral Nascimento, o Tatu, de 33 anos, e Rogério da Silva Mendonça, o Martelo, de 36 anos, do Presídio Federal de Mossoró. Raimundo Mendes, de 77 anos, mora na comunidade de Juremal. O agricultor aposentado conta que sai de casa com medo e que sua esposa Jacinta fica preocupada, mas que ele precisa cuidar dos animais e também do roçado.
“Tô com medo”, diz Seu Raimundo, de 77 anos, da Comunidade de Juremal. A reportagem do Mossoró Hoje ouviu moradores das comunidades que estão na rota de fuga de Daibson Cabral Nascimento, o Tatu, de 33 anos, e Rogério da Silva Mendonça, o Martelo, de 36 anos, do Presídio Federal de Mossoró. Raimundo Mendes, de 77 anos, mora na comunidade de Juremal. O agricultor aposentado conta que sai de casa com medo e que sua esposa Jacinta fica preocupada, mas que ele precisa cuidar dos animais e também do roçado.
FOTO: CEZAR ALVES

Nos últimos três dias a reportagem do Portal MOSSORÓ HOJE percorreu diversas comunidades rurais localizadas entre as cidades de Mossoró-RN, Baraúna-RN e Jaguaruana-CE.

O objetivo foi ouvir os moradores a respeito da fuga de Daibson Cabral Nascimento, o Tatu, de 33 anos, e Rogério da Silva Mendonça, o Martelo, de 36 anos, do Presídio Federal de Mossoró.

Após saírem do presídio misteriosamente, na madrugada do dia 14 de fevereiro, Tatu e Martelo ficaram quase quatro dias caminhando entre Riacho Grande e a Serra Mossoró.

Depois a Polícia encontrou rastros deles na comunidade de Três Veredas, distante 10 km da área urbana de Baraúna e 2 km do território de Jaguaruna, há 30 km do Presídio Federal.

Neste local, a Polícia acredita que os dois fugitivos receberam ajuda de Ronaildo da Silva Fernandes, de 38 anos, que restou preso nesta segunda-feira, 26.

Entre estas duas comunidades, existem dezenas de assentamentos e também fazendas da fruticultura irrigada e propriedades privadas, pequenas chácaras e fazendas.

Em todas as comunidades, os moradores falaram que estão com medo de ter suas casas invadidas durante à noite. “Tô com medo”, diz Seu Raimundo Mendes, de 77 anos.

Seu Raimundo mora na comunidade de Juremal, que fica exatamente entre as cidades de Mossoró e Baraúna e é rota de fuga dos fugitivos Tatu e Martelo.

O agricultor aposentado conta que sai de casa com medo e que sua esposa Jacinta fica preocupada, mas que ele precisa cuidar dos animais e também do roçado.

Ele disse que se não fosse o trabalho da polícia, atuando forte na região com helicópteros e muitas viaturas, a situação estaria terrível com a liberdade destes dois homens perigosos.

O cenário não é diferente na comunidade de Pico Estreito, que fica distante cerca de kms de Baraúna, região que a Força Tarefa está desde sexta-feira da semana passada fazendo buscas.

Nas comunidades de Vila Nova I, II, II, o cenário também é de medo. A reportagem conversou com vários moradores destas localidades e nenhum topou gravar entrevista.

Eles falaram que não temem os dois fugitivos, inclusive acreditam que a Polícia vai recaptura-los cedo ou tarde. Temem é a atuação das facções que estes fugitivos fazem parte.


Notas

Tekton

Publicidades

Outras Notícias

Deixe seu comentário